Equipe de marketing experiente elege Rogério Teófilo e mais outros três prefeitos


Alexandre Câmara

02/10/2016 23h51

 

Assessoria

 

Uma vitória e tanto para a equipe de marketing de Rui França e João Ulisses Guimarães. Com um grupo enxuto, que teve à frente o jornalista Alexandre Câmara, eles conseguiram eleger prefeitos o Rogério Teófilo, em Arapiraca; Julio Cezar, em Palmeira dos Índios, Pedoca Jatobá, em São Miguel dos Campos,além do Cacau, em Marechal Deodoro. Todos de oposição às atuais administrações.

A disputa mais difícil parecia ser a de RogérioTeófilo contra o deputado estadual Ricardo Nezinho. Rogério venceu  com uma diferença de 259 votos apenas, desbancando de uma só vez o candidato de Célia Rocha, Renan Filho e Renan Calheiros. "Venceu a sociedade que queria mudança. Começa um novo momento político. Ganha Arapiraca e Alagoas", disse Rogério nesta noite do dia 02.

A equipe de marketing pegou Rogério com apenas 8% das intenções de votos, que chegou  a  38,04% dos votos válidos, porcentagem que lhe deu a vitória.

Em Palmeira, Júlio enfrentou um grupo que se perpetuava há décadas no poder. Uma das campanhas mais tensas desta eleição, porque mesmo antes de começar, Júlio já despontava como preferido. Com o programa no ar, Julio conseguiu crescer e ter mais que o dobro das intenções de voto do eleitor palmeirense, o que se refletiu no resultado final da votação do eleitor: 26,99% para a médica Verônica contra os  64,62% dos votos válidos de Júlio.

Uma campanha que caiu no gosto popular foi a do Pedoca Jatobá, que tinha como personagens um garoto e um idoso, sempre conversando com Pedoca sobre o que ele iria fazer como prefeito. Mesmo sem o apoio de Nivaldo Jatobá, seu tio e ícone da política na região, Pedoca teve 14.158 votos, o que equivale a 47.22% dos votos válidos contra 12.427, de Jó Clemente,  que teve 41.45% dos votos válidos.

E numa disputa histórica, Cacau vence Júnior Dâmaso por apenas 8 votos em Marechal Deodoro. Foram 13.536 votos contra 13.528. Os percentuais foram os impressionantes  50.01% contra 49,99%.

Quatro campanhas não fáceis de ganhar, num momento político em que o eleitor está dividido e quer mudanças. Fazer vencer oposições, é um feito a ser comemorado, eis que os opositores não contam com o apoio das administrações. Venceram contra os poderosos. Na raça.  

 

 



Compartilhe
comentários