O ano era 1978


Márcio Santana

27/11/2017 19h05




Compartilhe
comentários

A aba desse chapéu é grande e infelizmente negociável


Márcio Santana

27/11/2017 19h03

 

Como explicar um descarado acordo desses que o PT e PMDB estão prestes a fechar, sem ter a mais pura certeza que muita coisa podre tem por trás. Dois partidos rompidos desde o impeachment da presidenta cassada (injustamente), Dilma Rousseff, e que agora já negociam alianças para as eleições de 2018 em vários Estados do Nordeste.

Como explicar o inexplicável, ou seja, que esta famigerada aliança, deste agora “partideco”, se faz justamente pela força que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda tem na região e por isso está atraindo os peemedebistas, e mais ainda, que o fato de o PMDB ser o partido com maior tempo de TV e ter o maior número de prefeituras do País seriam o principal fator dessa fraqueza do PT. Isso é sem dúvida alguma uma verdadeira vergonha.

É simplesmente impressionante a falta de caráter, respeito e vergonha na cara desses “elementos” que se dizem nossos representantes, mas que na verdade não passam de um bando de oportunistas e calhordas, sem um pingo de hombridade e princípios ideológicos.

Como não poderia ser diferente, aqui nessa província sem dono, ou melhor, com alguns donos, o PMDB quer o apoio do PT e para variar, as “grandes lideranças”, já iniciaram os conchaves para repetir em 2018 a aliança de 2014. Se baseando, principalmente, em pesquisas “verdadeiras” onde mostraram Lula na frente na corrida presidencial.

Aí vem Sergipe, Piauí, e Paraíba cada um com seu cada um, e no final todos com o rabo preso a uma mesma ideia, ou seja, pegar “bigú” na aba do chapéu dos outros, mesmo que para isso seja preciso vender a honra e a famosa e já bastante esquecida ideologia partidária.

Continuo a dizer, hoje, nesse pais e principalmente aqui em Alagoas, realmente vai ser muito difícil encontrar nessas próximas eleições, um candidato que não tenha se vendido, ou não possua a ficha suja, nos deixando assim, com aquela sensação de que “pior do que está com certeza vai ficar”, até por quê esses elementos, queira ou não queira, ainda possuem um “curral” eleitoral que garante, apesar de todas as evidencias, as safadezas e falcatruas, uma reeleição.

Onde já se viu, ou mesmo se podia imaginar, esses dois partidos, que a poucos anos atrás travavam uma verdadeira guerra na política brasileira, agora juntinhos e articulando um mesmo palanque (ou altar).

Vamos em frente meus amigos. Vamos torcer para tudo dar certo. Vamos fazer fé numa legião (in memória), de verdadeiros representantes que possam baixar por aqui e iluminar a mente desses meninos abelhudos, mimados e a maioria pau mandado, que possam ter a responsabilidade de responder por essa província. Vamos acreditar na quase que extinta decência desse “moi” de cupim de aço, que não irão sossegar enquanto não acabarem com o resto de Alagoas e do Brasil.

 



Compartilhe
comentários

No aniversário de Arapiraca, o grande presente é a imparcialidade do JA


Márcio Santana

27/11/2017 19h01

 

Falar de Arapiraca para mim, é um grande privilégio, é recordar de um dos maiores e melhores momentos de minha vida, dos grandes amigos que fiz em um dos maiores clubes de LEO do Brasil, o Leo Clube de Arapiraca, dos grandes shows no Clube dos Fumicultores, dos emocionantes jogos da Primavera, dos grandes clássicos de futebol entre o ASA e os demais clubes do Estado, enfim, de uma cidade que sempre me acolheu bem e que caminhou ao lado da prosperidade e do desenvolvimento. E quando falamos em desenvolvimento, os números por si só já dizem tudo, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego, Arapiraca foi o quarto maior gerador de empregos com carteira assinada no país no ano de  2015, e isso se deve ao espirito empreendedor de pessoas que nunca mediram esforços para acreditarem na sua terra.

E uma cidade como essa, não poderia em hipótese alguma abdicar-se de um jornal da qualidade, do respeito e da credibilidade do JÁ. Quando fui convidado pelos meus amigos Gabriel e Baía a participar desse semanário, de imediato aceitei, principalmente pela linha de trabalho deste grande jornalista, pelo privilégio de escrever para um informativo que iria circular em uma das mais importante cidade do nordeste brasileiro, e também por ter ficado impressionado com tudo o que foi apresentado, toda a estrutura, os profissionais, a linha editorial, enfim, pela seriedade do projeto.

E quanto a tal da imparcialidade, graças à Deus aqui no JÁ é uma constante. Nunca concordei com o fato de que o profissional de imprensa (Jornalista), tenha que ser totalmente imparcial. Não concordo com a parcialidade no esporte, na política, na religião e principalmente na intencionalidade de opiniões, portanto, é importante que se diga que o fato de ser imparcial não me dê o direito de achar um absurdo, por exemplo, estar diante de uma cena de um crime, onde um elemento se encontra com todos os objetos da vítima, todo ensanguentado a poucos metros daquele corpo dilacerado já sem vida no chão, e mesmo assim ser tratado como um simples suspeito, e que a partir daí ainda pode gerar um grande problema para o jornalista que ao menos insinue que o mesmo é sim o autor do referido crime, e este mesmo exemplo se aplica nos recentes episódios da nossa famigerada política, onde as evidencias são claras e mesmo assim alguns “veículos 1.0”, de comunicação, insistem em querer levar outra informação ao leitor, ouvinte ou telespectador.

Com certeza, cada jornalista possui sim a sua ideologia, sua maneira de ver esse mundo velho de meu Deus. E sendo assim, imagino que nada é mais honesto com meus leitores do que mostrar a clareza da verdade. Quantos jornalistas que se dizem “imparciais” tentam de todas as formas inserir suas tendenciosas opiniões nos seus leitores, isso sim é a verdadeira e inescrupulosa manipulação.

Mas meus amigos o momento é de comemoração, e sendo assim, fica aqui, toda a minha alegria, respeito, admiração e um grande PARABÉNS para Arapiraca e ao JA que com certeza caminham juntos e certamente terão pela frente muitas dificuldades, mas também muitas alegrias.



Compartilhe
comentários

Meu amigo Mané, ainda bem que você não viveu pra ver o que eu estou vendo


Márcio Santana

27/11/2017 18h59

 

Chega mais um final de mês, fico atento às notícias, será que vamos ter aumento na aposentadoria, não, mas em compensação vai sair a metade do décimo. E quantos e quantos meses conversávamos sobre como estava defasado o nosso salário, você com uma mente privilegiada, sabia de todos os índices do governo, e nunca deixou de compartilhar tais informações com seus companheiros de sindicato.

Meu amigo, a sua falta é sentida quase que diariamente, mas, posso lhe garantir que não estais perdendo absolutamente nada de bom aqui nessa vida velha e desarrumada. O que presenciamos rotineiramente é um monte de safadezas, roubalheiras e a cada dia um daqueles que você chamava de “cupim de aço”, vai preso e logo em seguida está solto para comandar o esquema.

 

Fico imaginando como esses elementos, em sua maioria cafajestes, ladrões, vigaristas e acima de tudo, cínicos, conseguem, apesar de todo glamour, privilégios, mordomias, vantagens e tudo mais que possuem, diante de tantas acusações, provas concretas, vídeos reveladores e cobertura total da imprensa nacional e internacional, manter a cara lisa de verdadeiros sem vergonhas assumidos diante de seus filhos e familiares.

 

Mas meu amigo, nós somos muito maiores e podemos, com certeza, dormir um maravilhoso sono dos Deuses, todas as noites, sem se preocupar se no outro dia ou mesmo durante a madrugada a Policia Federal não vai chegar para nos fazer uma visitinha de surpresa.

 

Por aqui está uma verdadeira esculhambação, é governador incompetente extinguindo órgãos, é senador corrupto já preparando seus currais para serem reeleitos, é jornalista “marrom” comprometido até a merda com a safadeza, enfim, está acontecendo justamente o que você imaginava e tinha receio que fosse acontecer, mas de uma maneira descarada que só o pior dos cegos não consegue ver.

 

Você não está mais aqui fisicamente, mas certamente, de onde estiver, e eu sei que é em um lugar bastante privilegiado, bem que poderia, se os “home” daí permitirem, tentar de maneira direta e provocativa, mandar um pequeno aviso para esses delinquentes para que eles pensem nos menos favorecidos, para que aí sim, se for o caso, essa corja de marginais pelo menos de vez em quando, mande um representante lá no nosso churrasquinho, e pague uma rodada de cravo e canela para a turma.

 

Fique em paz, e pode ter a certeza que sempre irei manter você informado de tudo que corre aqui por estas bandas, espero um dia poder dar alguma notícia descente à respeito desses elementos que se dizem nossos representantes mas que, na verdade, nunca me representaram em nada.

 



Compartilhe
comentários

Com a palavra os que ainda possuem a “extinta vergonha na cara”


Márcio Santana

27/11/2017 18h52

 

 

De vez em quando é sempre bom, para passar o tempo, assistir um pouco certos canais para descontrair e as vezes dar grandes risadas, e ontem não foi diferente. Assistindo a TV Senado, entre um e outro discurso, daqueles atores, percebi que alguns se mostravam bastante indignados com a situação atual do País, a partir daí já comecei a me descontrair.

Aí, já em relação ao outro lado da moeda, fico imaginando se esses bicudos mimados, que nunca se interessaram por nada de real valor político, falsos intelectuais e moralistas que vivem baixando a cepa na atual conjuntura - e olhe que aqui em Alagoas tem muito - se os mesmos estariam aptos a comportar-se de forma diferente se exercessem os mesmos cargos, tivessem as mesmas mordomias, fosse ele um simples consumidor ou um grande empresário, fosse ele um servidor público aposentado assim como eu, fosse um jovem idealista ou um velho cabeça dura.

Gostaria muito que a velocidade em que caminham a ciência e a tecnologia, fosse a mesma que proporcionasse a evolução da ética, da moral e da vergonha na cara desse monte de delinquentes. É uma vergonha como a grande disputa de espaços e a nojenta luta pelo poder brutalizam o elemento, que passa a ver no seu semelhante sempre um inimigo.

Essa nossa “sociedade” a muito passou a ser dividida entre os que “humilham” e os que são “humilhados”, os mais espertos providos de muita influência irão conduzir o destino dos que não possuem nada. Os detentores de forte influência, considerando o poder econômico, social e demagógico conduzem as preferências de toda a sociedade. Mas, isso não significa dizer que os lascados usem a mísera situação em que vivem para justificar a contravenção.

Estamos vivemos uma grande e insuportável crise de legitimidade do modelo político, vivemos uma crise de representatividade dos partidos políticos tradicionais, vinculados às oligarquias regionais e às grandes burguesias nacionais, bem como dos partidos de esquerda que rapidamente passaram a usar as mesmas práticas inescrupulosas de políticas tradicionais que antes tanto combatiam. Antes dessa famigerada crise econômica ou política, estamos vivendo aqui nessa província sem dono uma profunda crise moral e, entre outras razões, decorrente da fragilidade na nossa formação. A esperança de enriquecer fácil com dinheiro público e a certeza da impunidade é maior do que o medo de ser pego, razão pela qual eles não estão nem aí para sociedade.

Esses elementos que se dizem nossos representantes no parlamento, parecem preocupar-se tão somente com a própria manutenção no poder e obtenção de vantagens pessoais, se deixando levar por uma inclinação maligna que chega a enojar. Enfim, toda essa sorte de mazelas que parece demonstrar que o povo brasileiro vive num enorme carnaval de bandalheiras, numa incessante orgia de falcatruas que se repetem com frequência tal que, cerca de dois ou três meses do último escândalo, já não se tem mais lembrança dos detalhes dos primeiros.

Essa infeliz realidade caótica e desesperadora, ao mesmo tempo em que desencanta e desestimula, permite que possamos refletir sobre as fontes dos infortúnios brasileiros, entre as quais a crescente crise moral. Não bastasse a inflação e a vergonhosa posição do Brasil em todos os indicadores de desenvolvimento e civilidade, as notícias veiculadas pela mídia nos últimos tempos nos levam a concluir que vivemos o pior momento da história.



Compartilhe
comentários

Campina Grande está literalmente voando em tecnologia e lança o seu primeiro avião


Márcio Santana

09/10/2017 17h29

Fonte PBagora

No mês de aniversário de Campina Grande, a cidade voa mais alto e entra, definitivamente, no mapa da indústria aeronáutica nacional. Isto porque a empresa Stratus Aeronaves vai realizar na próxima terça-feira, dia 10, às 10h, no Aeroclube do distrito de São José da Mata, o voo inaugural do Volato 400, primeiro avião fabricado na Paraíba. O evento histórico será prestigiado pelo prefeito Romero Rodrigues, que será homenageado pela direção da empresa, por conta do apoio decisivo do município ao empreendimento.

O Volato 400 é o primeiro modelo a ser produzido pela Stratus, atendendo a quem busca um modelo de aeronave confortável, rápida, com boa capacidade de carga e de excelente custo/benefício, capaz de atingir grandes distâncias com segurança. A aeronave Volato 400, de origem americana, tem capacidade para quatro pessoas. Ela deve ser vendida pelo valor de R$ 750 mil. O avião, segundo o site da empresa, deve atingir 15 mil pés de altura a uma velocidade média de 350 km/h. A Stratus foi criada com o objetivo de produzir aeronaves de pequeno porte de dois e a quatro lugares para atender ao mercado brasileiro com produtos seguros e de alta performance.

O empreendimento, cujo hangar foi inaugurado em 30 de junho de 2016, tornou-se possível graças ao apoio da Prefeitura de Campina Grande. Segundo o empresário Juan Pinheiro, a Prefeitura de Campina Grande, por orientação de Romero Rodrigues, sempre esteve aberta ao diálogo e garantiu total apoio ao processo de implantação da indústria aeronáutica na cidade. “Devo lembrar, por exemplo, que o prefeito procedeu a desapropriação de área anexa ao Aeroclube de São José da Mata, viabilizando, assim, a instalação da nossa empresa, pois havia necessidade de amplo terreno destinado ao funcionamento de uma pista de pouso. Além disso, ao longo do tempo, a equipe técnica do governo municipal sempre acompanhou este processo de conquista para o povo campinense”, afirmou Juan Pinheiro.

Empregos e crescimento 

Segundo o empresário, a nova fábrica oferece 18 empregos diretos e mais 10 indiretos, além de oportunidades geradas a partir de ações desenvolvidas em parceria com empresas terceirizadas. A tendência é ampliar cada vez mais este quadro, levando-se em conta de que a empresa pretende lançar no mercado um novo tipo de aeronave, além da Volato 400. O futuro modelo contará com tecnologia totalmente paraibana, contando, para tanto, com o trabalho de pesquisadores de instituições como UFCG, Senai e muitas outras. A Stratus, que teve um investimento inicial de R$ 5 milhões, é parceira da Empresa Volato Aeronaves, indústria brasileira com sede em Bauru, com mais de 15 anos no mercado.

A companhia conta com o apoio do CTA - Centro de Tecnologia Aeronáutica, do SENAI da Paraíba, onde são capacitados os seus colaboradores e também desenvolvidos novos itens e componentes para a produção, utilizando equipamentos de última geração, a exemplo dos melhores fabricantes do mundo. O presidente da empresa, Juan Pinheiro, disse que o empreendimento deve tornar a Paraíba uma referência no segmento de aviação. A consolidação da fábrica vai atrair novos investimentos voltados para o setor de aviação, em Campina Grande, num processo que deverá culminar com a construção de um parque aeronáutico aqui na cidade.



Compartilhe
comentários

Mané, o cara não vale nada!!!


Márcio Santana

30/09/2017 21h10

 

A maligna, destruidora e descabida estratégia anti-socialista do governo Temer é ir, aos pouquinhos, acabando de maneira maquiavélica e desumana com os programas sociais, usando para tal extermínio a redução dos recursos orçamentários. Está acontecendo com o Bolsa-Família que simplesmente já teve mais 1,5 milhão de pessoas excluídas e que agora voltaram a passar fome, com a quase extinção da reforma agrária, com a Farmácia Popular, com o Fies e outras tantas políticas sociais criadas nos governos do Lula e Dilma.

O deprimente e ridículo orçamento que o governo golpista apresentou ao Congresso para 2018, é um atentado contra as políticas sociais. Porém, a mais infame e covarde das maldades foi cometida - para variar -  contra os mais pobres e mais necessitados desta província sem dono, ou seja, os idosos sem renda e sem aposentadoria, com mais de 65 anos, e os portadores de deficiência incapacitados que recebem o BPC – Benefício de Prestação Continuada, no valor de um salário-mínimo mensal. Depois de muitos e muitos cálculos - certamente na calada da noite - o Conselho Nacional de Assistência Social estimou a necessidade de R$ 3 bilhões para o Fundo Nacional de Assistências Social (FNAS) em 2018, porém, na elaboração do orçamento a tesourada vadiou e o governo reduziu os recursos para R$ 78 milhões. Isso significa dizer que apenas 0,13% do que estava previsto foi destinado para o fundo, e é justamente deste fundo que saem os recursos para o financiamento do BPC e de outras ações sociais mantidas pelo Estado.

Hoje no Brasil dos miseráveis, os beneficiados somam mais de quatro milhões de pessoas, que precisam demonstrar que a renda familiar não supera um quarto do salário-mínimo. Ou seja, precisam ser muito pobres mesmo. E precisam, como se não já demonstrassem, comprovar, através de perícia médica, naturalmente, que a deficiência é incapacitante. Com certeza essa é a primeira vez que, depois da regulamentação da LOAS, a sobrevivência do PBC está mesmo ameaçada.

Certamente, este é mais um episódio drástico e fatal neste governo que desde o golpe ainda não conseguiu simplesmente mostrar nada de proveitoso e resultante. A partir de agora, o que poderemos esperar, será o obvio, ou seja, se já temos milhares de crianças de rua, em breve teremos também mais idosos e deficientes na rua, pedindo esmolas para não morrerem de fome.

Meu amigo isso é um absurdo, quer dizer que, se os recursos são insuficientes, a solução virá pela exclusão de beneficiados ou mesmo pela redução do valor do benefício, hipótese já cogitada pelo governo quando da elaboração do plano da reforma previdenciária e que, graças a meu bom Deus empacou no Congresso e que assim como a possível venda da Amazônia, que foi desfeita essa também não passará, e mesmo assim o temeroso continua. Até quando!!! 



Compartilhe
comentários

Aí eu pergunto: O que (quem), é o verdadeiro “Parasita”.


Márcio Santana

11/09/2017 20h55

 

 
Levando-se em consideração que apesar de todas as evidencias, claras, descaradas, gritantes, registradas, filmadas, denunciadas e mesmo assim tidas como infundadas pela justiça brasileira, tive a curiosidade de pesquisar na grande internet, o verdadeiro significado de “Parasita”.
 
E as coincidências com uma certa classe de “trabalhadores” brasileira, são muitas. Vamos lá, do latim paras?tus (embora com origem mais remota num vocábulo grego que significa “comedor”), um parasita é um organismo que vive às custas de outra espécie - é impressionante a semelhança - que pode ser animal ou vegetal, alimenta-se do outro organismo, lascando até a tampa, tirando tudo o que ele tem, debilitando-o mas sem chegar necessariamente a matá-lo.
 
As sequelas que esses infelizes provocam em nosso organismo recebem o nome de parasitismo (ou seria roubalheira, pouca vergonha, certeza de impunidade). A espécie que aloja o parasita é o hospedeiro (qual seria hoje aqui no Brasil esse órgão?), que faz parte da mesma corriola, que além de participar de todo o esquema ainda consegue sair impune diante de tantas evidencias.
Portanto, podemos afirmar que apesar de tantas investigações, processos, divulgação na mídia marrom e interesseira Glopista, os parasitas se beneficiam do “esquema” que estabelecem uns com os outros.
 
O mais impressionante de tudo é que em alguns casos, os próprios parasitas podem se transformar em hospedeiro de uma terceira espécie (por exemplo: os frigoríficos da vida), que se conhece como hiperparasita. Assim sendo, cria-se uma rede de corrupção onde o hiperparasita vive às custas do parasita, ou seja, um morde e o outro assopra.
 
Quando um miserável desses – e aqui em Alagoas tem muito - encontra um organismo debilitado, aí meu amigo, é caixão e vela preta e é justamente aí onde estão incluídos milhões de pessoas que passam fome, que dormem nas filas do SUS, que moram nas ruas, praças, além de outros tantos milhões que ganham menos de meio salário mínimo para realizarem o milagre da sobrevivência. A partir desse momento esta “legião de condenados” passa a fazer parte desse sistema nojento e inescrupuloso que vive única e exclusivamente da manipulação ou da exploração desses “eleitores parasitas” através da compra de votos, da distribuição de favores durante os períodos eleitorais e outras práticas já conhecidas.

 



Compartilhe
comentários

O analfabetismo político


Márcio Santana

11/09/2017 20h52

 

Eu entendo que não saber ler e escrever, realmente são características de uma pessoa não alfabetizada. Com certeza essas são as principais características dentre tantas outras que não é necessário citar. E para variar, no nosso cenário político, é muito fácil encontrar pessoas que fazem parte desse quadro que envergonham o estado e consequentemente o país.

Certamente é mais comum encontrar casos assim em gestões municipais de cidades do interior e aqui em Alagoas não é diferente. Infelizmente o Norte e Nordeste são os maiores campeões nesse quesito. As miseras cidadezinhas do interior dessas regiões exibem políticos que muitas vezes não passaram da quarta série e mal conseguem escrever ou ler, mesmo assim, graças às “forças” estranhas assumem as prefeituras e câmaras para representar um povo sofrido, que precisa de boas condições de vida e de homens de vergonha na cara.

Os jornais – a maioria comprada - sempre batem na mesma tecla quando o assunto é pobreza, enfocam o Nordeste como a maior vítima de uma má distribuição dos recursos para educação, saúde, moradia e trabalho. Mas de quem é a culpa? Todos nós sabemos que são de políticos corruptos e sem nenhuma ideia do esteja acontecendo.

Esses lambe-botas que não sabem nada da realidade do nosso povo teimam em cruzar os braços ou tentam remediar com programas que não auxiliam nem tampouco ajudam os mais pobres do jeito que deveria ser. E quando falo de despreparo, não isolo apenas a questão da leitura, escrita e interpretação, falo também do desconhecimento dos deveres e direitos de ambas as partes, ou seja, o poder e povo

Subir em uma porcaria de palanque e dizer tudo de belo e bonito é o que se faz de melhor nas campanhas eleitorais, sem contar as propagandas políticas gratuita (que de gratuita não tem nada. As emissoras recebem ressarcimentos de impostos fiscais pelo tempo gasto nas propagandas), que enchem a TV e o rádio com candidatos e mais candidatos. Ou seja, nessas campanhas o dinheiro é gasto para “iludir” os bestas e na hora de assumir os cargos, é que a gente vê quem foi eleito e o grau de despreparo que surge com leis absurdas, decretos que não servem pra nada e comentários sem valor nas reuniões do legislativo.

Destaco esse problema num parâmetro regional, por que é onde os maiores absurdos acontecem. As cidades pequenas são as maiores vítimas desse mal e quase sempre, não se faz nada para melhorar isso. Por que acredito que se um político tem uma boa base educacional, pode também desenvolver um certo grau de instrução na carreira.

Mas como mudar isso? As questões começam pela própria Constituição. Ela dá o direito a todo cidadão, de qualquer classe ou status social, de se candidatar a uma vaga para qualquer cargo político. Sendo assim, como o nosso país ainda ostenta alto índice de analfabetismo, cerca de 10% da população, qualquer um pode usufruir desse direito constitucional e ser candidato nas eleições.

É onde grande parte se elege por que ganha o apoio financeiro de terceiros (com segundas intenções) e faz o eleitor esquecer qual deveria ser o critério principal na escolha: uma boa formação política.



Compartilhe
comentários

O Brasil da “tatuagem” feita com a castanha de caju


Márcio Santana

04/08/2017 13h50

 

Quando saímos nas ruas, e percebemos os problemas, as carências, as angustias, as tristezas e principalmente a falta de credibilidade que existe por parte da população em seus representantes, fica bastante evidenciado o conformismo, o deixa pra lá, o aqui não tem mais jeito de uma legião de desenformados e covardes que, de bravos e reivindicantes homens e mulheres, passaram a ser simples espectadores de uma mídia corrupta e comprometida, que, infelizmente manobra e consegue modificar toda uma opinião que antes parecia ser irreversível, mas que, com os recentes acontecimentos passaram a ser normais.  

 

Nada mais poderia ser tão esperado de um Congresso Nacional formado majoritariamente por elementos descompromissados com o povo, que o fato de o mesmo salvar o governo mais sujo da história do Brasil numa data que sem dúvida alguma ficará para sempre gravada na história dessa província.  

 

Não temos mais em quem acreditar, muito menos a quem recorrer, para ao menos tentar uma explicação para esse conformismo covarde no qual nos encontramos. Todos os dias as notícias são sempre as mesmas, os ladrões são sempre os mesmos, os endereços são sempre os mesmos, as vítimas sempre as mesmas (nós), as punições são sempre as mesmas (não tem punições), e a gente vê, reclama, se enfurece, fica indignado mas simplesmente aceita pacificamente e quando acaba o infeliz vem com a maior cara sínica e diz: “decisão do parlamento não é uma conquista pessoal, mas é uma conquista do estado democrático de direito, e da força das instituições; Os princípios do direito venceram com votos acima da maioria absoluta na Câmara".

 

Nós percebemos que as coisas aqui nessa província estão um tanto erradas quando tomamos conhecimento que, enquanto nesta negociata R$ 17 bilhões foram gastos para garantir os votos necessários para a vitória em emendas e perdões de dívidas em diversos setores como por exemplo o ruralista, no Rio de Janeiro, por exemplo, as pessoas vibram com os tanques de guerra que circulam pela cidade, devido à falta de segurança.

 

Pois bem, muitas são as coisas que, se tivesse coragem, tatuaria no meu ombro, porém, posso garantir que a partir de agora não só eu, como todo brasileiro, levará paras sempre tatuado no peito, mesmo que feita com a castanha de caju, que arde que só a peste, os seguintes dizeres, “sou um covarde e já desisti faz tempo”.



Compartilhe
comentários

É complicado...


Márcio Santana

26/07/2017 19h14

 

Escrever sobre a famigerada política e a religião é sempre algo muito complicado. É mexer com casa de maribondo. É entender que jamais devemos perder tempo discutindo tais temas, pois cada fanático (idiota), tem a sua visão sobre esses temas e com certeza dificilmente haverá acordo. Longe de mim a intenção de querer influenciar ninguém, não pretendo assumir a responsabilidade de quem pensa que detém o conhecimento e tenta transferi-lo para outras cabeças.

RELIGIÃO

Mas o fato é que não posso aceitar de maneira alguma a cumplicidade de estarmos tentando tapar o sol com a peneira, quando insistimos em não querer enxergar a indústria religiosa, seja ela católica, universal ou outras milhares que por aí se encontram, onde simplesmente não existem limites para a exploração dos “fieis” quando, elas praticamente exigem que os mesmos contribuam com dinheiro, carro, casa, moto, relógios, anéis e outras coisas mais, para ajudar os necessitados e, na verdade, como todos sabem, elas ficam com uma boa parte dessas doações.

POLITICA

No que diz respeito à Política, aí a situação fica ainda mais complicada, pelo fato de ser possível debater e ser debatida com base nas safadezas, distorcidas ou não, que estão por aí prontas para ser observadas. Nesta nossa província, a política corrupta acabou por se tornar uma profissão altamente lucrativa. E com a grande e brilhante vantagem de não se poder meter na cadeia, nenhum desses elementos corruptos que sabendo dos privilégios que possuem, pintam e bordam sem o mínimo de preocupação.

Dessa maneira, deixando de lado o fanatismo doentio, sobre quem é melhor se PT ou PSDB, vamos pensar de maneira positiva e elogiar o que é merecedor, e com certeza a vida do povo melhorou desde que o PT assumiu a presidência e o que era situação passou a ser oposição.

Não estou aqui para assumir a preferência pelo PT, até por quê nunca neguei as minhas tendências, mas não dá para negar que o Brasil foi um, até antes do PT e está sendo outro totalmente desgraçado nesse governo golpista.

Infelizmente hoje, não consigo visualizar nenhum elemento desses que já se lançaram candidatos, que me represente e que não seja comprometido com os mesmos grupos corruptos que fizeram morada em Brasília.

 



Compartilhe
comentários

Motociclistas e (ou) delinquentes


Márcio Santana

26/07/2017 19h13

 

Falo por experiência própria, ser Motociclista é uma aventura prazerosa, que certamente é diferente de tudo o quanto se possa imaginar. Andar de moto principalmente viajando, é uma liberdade, uma expressão, um sentimento inigualável. Quando subimos em uma dessas máquinas, simplesmente nada se passa em nossas cabeças, a não ser sentirmos livres. Viajar em grupo ou mesmo só, sentindo a chuva, o vento, e perceber que é exatamente isso o que você quer, realmente não há nada que pague, é a natureza e seus elementos envolvendo a nossa alma, são emoções que gostaríamos que todos pudessem sentir.

Porém, como nada neste mundo de meu Deus é perfeito, tinha que ser o mísero elemento ser humano, a desgraça capaz de modificar todo este esplendor. Refiro-me a grupos formados por verdadeiros marginais metidos a Playboys que entendem que pelo fato de ostentarem suas poderosíssimas maquinas, possuem o direito de promoverem verdadeiro desrespeito à comunidade quando, em todos os finais de semana, em bandos, insistem em acabar com o sossego de todos, com seus barulhentos escapamentos que mais parecem uma rajada de metralhadora.

Imagino que assim como eu, que moro aqui na Jatiuca, e tenho em casa minha mãe doente de Alzheimer, que por sinal todos as madrugadas dos finais de semana se apavora com os ataques covardes desses marginais inescrupulosos, existem pessoas que passam pelo mesmo problema, não só aqui em Maceió como também em diversas cidades do interior onde sempre atuam.

Mais uma vez me vem à lembrança meu grande amigo Mané, que Deus o tenha em bom lugar, que sempre que presenciava tal situação, na mesma hora, com toda sua simplicidade, dizia logo, “esse corno usa esse barulho, que é para quando chegar na esquina da sua casa (do marginal), se utilizar do mesmo para avisar o pé de lã que já está chegando”.

Infelizmente, pelo que pude pesquisar, aqui nessa província chamada Brasil, se em uma blitz, um delinquente desses for pego, o máximo que pode acontecer é perder 5 pontos na carteira, e pagar uma multa de pouco mais de R$ 120,00, além de ter que providenciar a colocação do miolo do escapamento ou o silenciador ali mesmo no local da operação, sob pena de ter a motocicleta recolhida ao deposito do Detran.

   

 



Compartilhe
comentários

OPAÍSTATOMANDONOÔIUDOTÓBA


Márcio Santana

26/07/2017 19h11

 

Todos nós sabemos que a mentira, a falta de vergonha na cara, a desonestidade, o descaramento e a certeza da impunidade sempre foram as maiores características do sistema político brasileiro –mas mesmo assim votamos neles -  Posso garantir que a minha esperança com a eleição do PT, era outra totalmente diferente que essa apresentada por este bando que se enfiou de governo a dentro e roubou bilhões de reais do dinheiro público.

Nessa província que nunca teve e nunca terá dono, todos os dias acontecem coisinhas estranhas para uns e normais para outros – mesmo assim votamos neles - Toda a safadeza já foi descoberta, todos os “inocentes” reconhecidos e todos conhecidos, todo o montante roubado já se sabe onde encontrar e simplesmente nada acontece – mas mesmo assim votamos neles - E aí fico pensando, teve um que perdeu o mandato por ter adquirido uma ELBA, a outra pelas famosas PEDALADAS fiscais, e esse inocente?  

O que mais revolta, é ver que os elementos são todos conhecidos, tudo documentado, as malas monitoradas, as contas nos paraísos fiscais, o homem correndo com a mala cheia, a viagem no jatinho ou seja, todas as evidencias na cara de todo mundo, mas mesmo assim o governo golpista do Temeroso nega e ignora tudo.

Questionado quanto as ligações telefônicas, o inocente diz não ter conhecimento. Sempre se colocando como vítima de uma armação. E o pior de tudo é que o Temeroso, amparado por uma corja de sanguessugas, inclusive com a participação de ilustres alagoanos, consegue através de lucrativos conchavos, transformar as provas contra ele e agora também colegas senadores, em acusações descabidas. E a população ignorante juntamente com a turma do patinho amarelo engole tudo e fica com a língua socada no ôiu do tóba – mas mesmo assim....

O governo Golpista está criando uma linguagem nova, talvez um dialeto que só quem faz parte da corriola entenda, e isso em todos os setores. Não consigo entender como algumas “facções” da imprensa (marrom), insistem em manter uma linha de editorial tentando mostrar o quão será importante para o futuro desta província a manutenção deste Temeroso, ora me poupem, é para isso que serve o tão exigido “diploma?”.  

Enfim, diante de tudo isso que está acontecendo, a minha maior preocupação infelizmente é com nossos filhos e netos que com certeza irão acreditar que realmente o crime compensa e é bastante lucrativo.           

 



Compartilhe
comentários

A partir de agora, R$ 3,51 (multa TSE), é quanto vale meu voto


Márcio Santana

24/06/2017 15h26

 

Olha entendo que esse atual momento político em que vive o Brasil tem provocado uma raiva, um mal-estar muito grande em milhões de brasileiros, principalmente por saber que tudo isso poderia ter sido evitado se não fosse o olho de jiboia da turma do PT. Votei no PT por acreditar em uma mensagem de esperança para milhares de brasileiros, principalmente nordestinos que nunca em momento algum tiveram condições dignas de vida.

“Meu amigo, eu, alagoano, aposentado, simples mortal, pagador dos impostos, torcedor do CRB, gosto de andar de bicicleta, de tomar um bom vinho, de tocar sanfona, apreciar e comer uma suculenta picanha, enfim, ter uma vida digna dentro dos meus limites”.

Pois bem, eu nunca poderia imaginar que estaria votando, nas últimas eleições, em um partido que como num passe de mágica, transformou toda uma desgraça em um sonho e depois todo o sonho em uma grande mentira.  

“Saio de casa para ir no supermercado com a relação de tudo que tenho de comprar e mesmo assim termino esquecendo de alguma coisa, esqueço da hora de tomar o remédio, já entrei em carro errado no estacionamento, quer dizer, imagino que seja uma vida “igual” ou parecida a de muitos outros”.

O que não posso agora é aceitar a hipocrisia ridícula, de passar a mão na cabeça de um bando de delinquentes, escrotos, malfeitores, gananciosos e acima de tudo assassinos indiretos de milhares de pessoas que, devido à falta de medicamentos nos hospitais, morreram à mingua, enquanto milhões e milhões de reais eram desviados diariamente para paraísos fiscais e que jamais retornarão para os cofres da nação. No meu entendimento o PT, na figura de seu líder maior, hoje está no mesmo patamar ou talvez pior, que as desgraças que o antecederam.

 

“Faço palavras cruzadas no banheiro, não gosto de fazer a barba (mas faço), detesto cortar as unhas (mas corto), não tomo café muito quente, no Trapichão, quando não estou na tribuna de imprensa prefiro a alta, já esqueci várias vezes a chave do carro lá em cima e tive que voltar mordido para pegar, tenho alguns falsos amigos que faço questão de manter a falsa amizade”.  

Dizem que o avião do Temer vai passar em uma zona de conflito na Rússia, será!



Compartilhe
comentários

É muita farinha de Araripina para pouca lavagem


Márcio Santana

11/06/2017 19h30

 
Meu amigo, todos nós sabemos o quanto esta peste de política é simples, porem, mesmo assim, tem uma cambada de elementos que insiste em fechar os olhos para algo tão obvio e evidente. Este país velho e esculhambado chamado Brasil tem hoje 513 deputados federais, governadores, deputados estaduais, senadores, uma porrada de prefeitos e uma quantidade a se perder de vista de vereadores, que simplesmente ignoram o real motivo para o qual foram eleitos e se submetem aos mais expressivos tipos de falcatruas.
 
Se pelo menos 40% desse moi que aí se encontra fosse composto de pessoas sérias, trabalhassem com o intuito de representar o povo que os elegeram, e agissem de maneira responsável e competente nos destinos da máquina administrativa, com certeza estaríamos hoje, se não com uma grande parte dos nossos problemas resolvidos, mas no mínimo com muitas celas da Policia Federal amarrotada de vagabundos inescrupulosos, que se acostumaram a roubar o erário publico descaradamente.
 
É muito grande a quantidade de dinheiro roubada por estes elementos, eu mesmo, no auge dos meus 55 anos, não consigo nem imaginar o quanto essa gangue criada (eleita), por nós mesmos roubou desse mísero país. Felizmente este é um país rico, mas, mesmo assim nunca deixou de ter problemas com a pobreza, miséria, desigualdade social, falta de saúde pública, educação, saneamento básico, desemprego, violência.
 
Volto a insistir na situação do povo ir às ruas. Se for pra ir, que façamos isso de maneira ordeira, sem quebra-quebra, e com uma reivindicação no mínimo possível de ser alcançada. No momento o mais importante motivo para uma grande manifestação nas ruas do Brasil seria a renuncia e consequentemente a prisão de todos os acusados de receberem propina assim como esse governo golpista.



Compartilhe
comentários

O “mala” dos desabrigados


Márcio Santana

11/06/2017 19h28

 

O presidente Temer esteve em Alagoas no último domingo (28) e como um “grande Presidente ilegítimo” que é, lamentou profundamente as mortes causadas pelas enchentes e imediatamente anunciou ajuda para todos os municípios atingidos pelas cheias, porém, diferentemente do que fez em Pernambuco onde garantiu recursos na ordem de 600 milhões de reais, não definiu os valores que seriam destinados a Alagoas o que para mim é muito estranho, espero que eu esteja enganado, mas tenho quase certeza do real motivo.

De acordo com a “maior” autoridade do País, que por sinal não me representa, serão liberados recursos. “Para isso estivemos aqui e, com o decreto de emergência já estabelecido, podemos fazer isso. Os valores não temos ainda. Precisamos verificar quais os danos e o que é preciso fazer.

Duas coisas me chamaram atenção nesta misericordiosa visita, a primeira diz respeito ao fato da “autoridade” sair do aeroporto e ir direto para dentro do quartel do exército, talvez, por ter sido uma visitinha surpresa não tenha dado tempo do governador arrumar a recepção no palácio. A segunda é em relação ao fato dele não ter divulgado “valores” da tal ajuda humanitária.

Eu até entendo que num momento em que “seu ilegítimo governo” enfrenta grave crise em razão das delações de dirigentes do grupo JBS, não fosse esse realmente o momento propício para ele colocar à prova sua popularidade aqui em Alagoas.

Não é desconfiando, mas seria muito importante que esse dinheiro destinado às vítimas das chuvas em Alagoas fosse transportado, se é que ele vem mesmo, em malas com cédulas marcadas com o número de série da Casa da Moeda, com chip localizador para rastreamento. Com a quantidade certa de dinheiro e não faltando como naquela outra, e escoltada por agentes federais, Exército, Marinha e Aeronáutica.

 

 



Compartilhe
comentários

A safadeza é generalizada e temos participação nela


Márcio Santana

11/06/2017 19h26

 

Meus amigos, a situação política nesse nosso Brasil velho e sofrido está realmente muito séria. Pra onde você olha é só safadeza e corrupção e o pior, é que praticamente  toda hora aparece mais podridão. Aí vem a velha e questionável pergunta, o que fazer ? E o pior de tudo, é observar a cara lisa da maioria dos políticos, que posso garantir, não me representam com as caras lambuzadas de óleo de peroba, verdadeiros sem vergonhas, se dizendo santinhos.

Vendo alguns noticiários, percebi que agora, eles estão, todos os envolvidos e outros que poderão também ser envolvidos, tentando criar um “ACORDÃO”, ou seja, um elemento desses vai tentar salvar a pele do outro  e vice-versa e assim todos vão tentar se safar. Essa, é a nova estratégia dos meninos tolos, que já está sendo colocado em prática. A situação no Brasil, está pior que a casa da mãe Joana, sem falar num bando de covardes que vendo o velho e agonizante barco afundar já começaram a tirar o bocal da linha e sabe Deus para onde vão.

O povo deve entender que para haver uma grande mudança nessa coisa chamada Brasil, não basta apenas ir para as ruas protestar contra a corrupção, não vamos resolver nada apenas reivindicando melhores salários e condições de trabalho, mais saúde, mais educação, mais segurança, isso tudo é muito importante, porém, mais importante do que tudo isso, é saber VOTAR. E saber votar, não significa apenas se dirigir a uma peste de uma urna eletrônica e digitar os números dos candidatos, saber votar, é votar com independência, sem pensar naquela feirinha que vai ganhar. Enquanto tiver eleitor votando por causa de um saco de cimento, de um emprego para o filho, de uma dentadura, de uma consulta médica, esta concentração de coliformes fecais vai continuar do mesmo jeito.

Vamos para as ruas defender o fim dessa absurda e viciante reeleição. Vamos exigir a unificação geral das eleições e apenas um mandato de 05 anos para todos os eleitos. Isso para mim já seria um grande avanço para a moralidade, modernidade e possibilidade de um futuro melhor para todo o povo brasileiro. E fora Temer!!!!



Compartilhe
comentários

Campina Grande - PB, o maior São João “Sertanejo” do mundo!!!


Márcio Santana

20/05/2017 18h07

 

Um verdadeiro absurdo. Falta de consideração com os valores da terra, evidente ganancia financeira e principalmente desrespeito ao povo nordestino, foi a grade de atrações do São João de Campina Grande 2017, divulgada pela prefeitura da cidade, gerando imediatas críticas e protestos não só no meio artístico como pela população de um modo em geral, pelo simples fato desse ano, ao contrário de anos anteriores, ela estar repleta de nomes de destaque nacional da música sertaneja que eu me guardo no direito de nem divulga-la, por ser totalmente contra a este estilo de musica para tal festa e por ser algo completamente comercial. Por desmerecer, de forma ridícula, covarde e ambiciosa, os verdadeiros representantes do povo nordestino, mostrando assim, a falta de respeito a esses brilhantes poetas e cancioneiros que dão de cambão nessa corja de midiáticos meninos de uma nota só.

Não consigo imaginar nem a possibilidade mais remota de verdadeiros gigantes do “FORRÓ” como Santana, Alcymar Monteiro, Genival Lacerda, Biliu de Campina, Zé Calixto, os Três do Nordeste, Capilé, Pinto do Acordeom e outros artistas populares, que sempre embelezaram o que antes era o “Parque do Povo”, ficarem de fora.

Eu entendo que esses bilionários, que certamente já possuem o seu publico alvo (turistas), irão encher os bolsos de dinheiro, e ainda sairão a bordo de seus jatinhos falando mal da cidade, enquanto as grandes “lendas” da música nordestina passarão a fazer parte de um saudoso passado.   

O que esses empresários que “compraram” o nosso São João estão querendo é sem duvida alguma, acabar com a festa popular, disseminar a nossa tradição. O São João sempre foi, e deverá continuar sendo uma festa do povo, do toque da sanfona, do triângulo, da zabumba, dos já tradicionais trios de forró que animavam as ilhas do “Extinto Parque do Povo”, dos brilhantes artistas que a muito já se sentem identificados com toda a nossa tradição, da alegria, e da bastante reconhecida cultura.

Como disse o grande mestre, cantor, poeta e forrozeiro Santana, "Às vezes fico preocupado com a força da grana que ergue e destrói coisas belas. E às vezes me preocupa que o São João, uma festa tão tradicional e secular se transforme numa festa paulista dentro de junho nosso. Então, o empresário que às vezes está por trás de tudo isso só se interessa pelo vio metal - é um direito dele. Agora o que me preocupa muito é essa coisa de plastificar e trazer uma coisa que não é da nossa tradição para tomar conta da nossa festa junina, deixada pelos nossos pais, nossos avós", assino em baixo e digo mais, isso realmente é uma vergonha.



Compartilhe
comentários

Torcedor protesta e direção do ASA decidi fechar treinamentos


Márcio Santana

17/05/2017 13h13

O tempo ainda continua fechado no ASA. Na tarde dessa terça-feira no Municipal de Arapiraca, durante o treinamento do grupo sob o comando do técnico Maurílio Silva, alguns integrantes de uma torcida organizada do clube resolveram cobrar, em forma de protesto, uma atitude diferente dos atletas para o próximo jogo contra o Remo.

É lógico e até aceitável que alguns torcedores ainda não conseguiram aceitar aquela humilhante derrota para o CSA por 3 a 0, na rodada de abertura da Série C do Brasileiro, não pelo fato de ter sido para o CSA, mas sim pela qualidade de jogo apresentada naquela ocasião, ou seja, um time apático, descompromissado com a torcida que compareceu em bom número ao Rei Pelé, pela falta de criatividade e principalmente a péssima finalização.

Sentindo-se preocupada com as cobranças dos torcedores, logo após o treino a direção se reuniu e decidiu fechar os treinos a partir desta quarta-feira. Apenas a imprensa será liberada para acompanhar os trabalhos.

A diretoria, ainda nessa terça-feira, oficializou o retorno do volante Kessi, jogador esse, que foi revelado nas divisões de base do clube, e estava disputando o Campeonato Sergipano pelo Lagarto. Outro reforço que deverá ser anunciado nos próximos dias é o meia Rafael, que esteve no elenco alvinegro na Série C do ano passado.

Os preços dos ingressos também foram definidos para o jogo contra o Remo, no próximo sábado, às 16h30, e irão custar R$ 30,00 para qualquer setor do estádio. Mulheres, idosos e estudantes pagam metade do valor.



Compartilhe
comentários

Dupla cidadania, sempre me acharam um galeguinho dos “ói” azul, fui.....


Márcio Santana

15/05/2017 16h49

Um sonho que muitos brasileiros tiveram durante muito tempo, agora parece que está mais fácil de ser realizado, é a famosa e cobiçada dupla cidadania. Simplesmente o fato de você poder ir embora dessa coisa chamada Brasil e nunca mais voltar é sem duvida alguma algo que vem muito bem a “calhar”. Tentar um Trabalho ou estudar no exterior há muito tempo faz parte dos planos de muito brasileiro que assim como eu já não aguentam mais viver em um pais tão desmoralizado. Certamente será necessária uma boa dose de pesquisa e disposição para enfrentar a burocracia. E esse é o meticuloso caminho a ser percorrido para se obter a dupla cidadania, um procedimento através do qual brasileiros com ascendência de outra nacionalidade podem obter o direito de serem cidadãos de outros paí­ses. O primeiro passo é pesquisar suas origens. Os critérios variam conforme a nacionalidade. Geralmente para os países europeus, o direito é assegurado a filhos, netos, bisnetos e trinetos, desde que possuam a linhagem paterna, porem, alguns reservam algumas restrições. Na Espanha, por exemplo, os bisnetos precisam residir pelo menos um ano no país, enquanto que em Portugal a exigência é que o avô esteja vivo para transmitir a descendência. Muita gente não pensa em deixar o Brasil por causa da família, por imaginar que não vai se acostumar em outro lugar, por causa do clima, não vai arrumar emprego, ou até mesmo pelo fato de já ter morado em outros países e tenha chegado a conclusão que o Brasil é seu lugar, nesse caso amigo, você realmente merece estar onde estar. Depois da facilidade que foi criada para conhecer outros países na época do governo Lula, você certamente já conheceu alguém que morou fora e fala que só voltou por que não poderia passar mais tempo por lá. Então agora é cair em campo, pesquisar por onde meus antepassados moraram, por enquanto, o mais distante que encontrei morou em Palmeira de Fora, bem pertinho de Palmeira dos Índios, mas vou continuar na luta e se não der certo com certeza irei começar o curso de escalador de “muro” e tentar, tentar, tentar, tentar.....


Compartilhe
comentários