“Domésticas” na Disney


Marcio Santana

02/03/2020 17h57

 

 

Mais uma vez fomos todos surpreendidos com mais uma “pérola” de um elemento da atual administração dessa província. Desta vez, diante de tantos absurdos, safadezas, denuncias, exemplos de incompetências e outros adjetivos medíocres de um bando de idiotas, eis que surge, na maior demonstração de ódio aos menos favorecidos, a absurda declaração de um elemento sem a menor condição de estar onde está.

Vivamos a alegria de bons tempos. As empregadas domésticas não. Vivamos o prazer de ter nossos filhos formados em universidades federais. As empregadas domésticas não. Tenhamos o direito de ir e vir a um supermercado. As empregadas domésticas não. Sejamos sempre bem sucedidos em nossos caminhos. As empregadas domésticas não enfim, diante de uma sociedade medíocre, preconceituosa, capitalista e acima de tudo “ignorante”, só nos resta ter o desprazer de conviver com pessoas dessa qualidade, que muito falam e pouco fazem.

Não é possível que a maioria dos imbecis que endossaram e até vibraram com a desmerecida declaração de que “até empregada doméstica, estava indo para a Disneylândia, era uma festa danada”, não tenha no mínimo, um pouco de decência e equilíbrio mental, para saber que com o salário que recebe, ela pode até ir, porém, para cuidar dos filhos da burguesia escrota e perversa, que costuma, como sempre, explorar seus escravos.

Na verdade - já que a gente tem que ser bastante claro - a tal da doméstica que foi na famigerada festa na Disney, que esse cidadão mencionou, foi você idiota do boitíco pelado. Sim, você que não tem nem onde cair morto, mas mesmo assim comprou aquele fabuloso pacotão de férias, que por sinal ainda está pagando, e que por alguns momentos se sentiu o próprio homem rico, mas que na verdade não passa de um simples assalariado do olho de jiboia.

Com o salário que as verdadeiras domésticas ganham, o parque de diversão que podem usufruir é justamente daquele tipo em que a roda gigante é tracionada pelo coitado do funcionário. O barco do pirata a gente tem que puxar a corda. A montanha russa não tem mais que dez metros na sua parte mais alta e em relação ao tipo de festa que frequentam, ai meu amigo, posso garantir que é muito mais limpa do que essas grandes baladas que acontecem na alta sociedade.

Será possível que até numa hora dessas esse bando de alienados tenha que deixar bem evidenciado o ódio pelo nordestino. Isso mesmo, quando ele usa o termo “danado”, que embora seja usado em todo país, é aqui no Nordeste que é mais utilizado, e ele sabe disso. Posso estar enganado e peço até a Deus que esteja, mas esse momento pelo qual estamos passando, pode ser considerado o mais preocupante de todos os tempos.  

Acho que muito mais interessante do que destilar o ódio declarado que sente pelos nordestinos, seria um pronunciamento à respeito da greve dos petroleiros da Petrobras e o que a mesma pode significar para a economia brasileira, ou será que já estão trabalhando com a real possibilidade da venda de mais esse patrimônio que sempre deu lucro para os cofres da nação.

Continuo a dizer que o que incomodava essa turma era o fato de ter que sentar-se ao lado de um ser humano humilde dentro de um avião, ver o filho de uma verdadeira doméstica se formando, e ter que aceitar que nesse pais, até hoje, o pobre só teve vez quando foi administrado pelos elementos corruptos do Pêtê.  

 



Compartilhe
comentários