No aniversário de Arapiraca, o grande presente é a imparcialidade do JA


Márcio Santana

27/11/2017 19h01

 

Falar de Arapiraca para mim, é um grande privilégio, é recordar de um dos maiores e melhores momentos de minha vida, dos grandes amigos que fiz em um dos maiores clubes de LEO do Brasil, o Leo Clube de Arapiraca, dos grandes shows no Clube dos Fumicultores, dos emocionantes jogos da Primavera, dos grandes clássicos de futebol entre o ASA e os demais clubes do Estado, enfim, de uma cidade que sempre me acolheu bem e que caminhou ao lado da prosperidade e do desenvolvimento. E quando falamos em desenvolvimento, os números por si só já dizem tudo, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego, Arapiraca foi o quarto maior gerador de empregos com carteira assinada no país no ano de  2015, e isso se deve ao espirito empreendedor de pessoas que nunca mediram esforços para acreditarem na sua terra.

E uma cidade como essa, não poderia em hipótese alguma abdicar-se de um jornal da qualidade, do respeito e da credibilidade do JÁ. Quando fui convidado pelos meus amigos Gabriel e Baía a participar desse semanário, de imediato aceitei, principalmente pela linha de trabalho deste grande jornalista, pelo privilégio de escrever para um informativo que iria circular em uma das mais importante cidade do nordeste brasileiro, e também por ter ficado impressionado com tudo o que foi apresentado, toda a estrutura, os profissionais, a linha editorial, enfim, pela seriedade do projeto.

E quanto a tal da imparcialidade, graças à Deus aqui no JÁ é uma constante. Nunca concordei com o fato de que o profissional de imprensa (Jornalista), tenha que ser totalmente imparcial. Não concordo com a parcialidade no esporte, na política, na religião e principalmente na intencionalidade de opiniões, portanto, é importante que se diga que o fato de ser imparcial não me dê o direito de achar um absurdo, por exemplo, estar diante de uma cena de um crime, onde um elemento se encontra com todos os objetos da vítima, todo ensanguentado a poucos metros daquele corpo dilacerado já sem vida no chão, e mesmo assim ser tratado como um simples suspeito, e que a partir daí ainda pode gerar um grande problema para o jornalista que ao menos insinue que o mesmo é sim o autor do referido crime, e este mesmo exemplo se aplica nos recentes episódios da nossa famigerada política, onde as evidencias são claras e mesmo assim alguns “veículos 1.0”, de comunicação, insistem em querer levar outra informação ao leitor, ouvinte ou telespectador.

Com certeza, cada jornalista possui sim a sua ideologia, sua maneira de ver esse mundo velho de meu Deus. E sendo assim, imagino que nada é mais honesto com meus leitores do que mostrar a clareza da verdade. Quantos jornalistas que se dizem “imparciais” tentam de todas as formas inserir suas tendenciosas opiniões nos seus leitores, isso sim é a verdadeira e inescrupulosa manipulação.

Mas meus amigos o momento é de comemoração, e sendo assim, fica aqui, toda a minha alegria, respeito, admiração e um grande PARABÉNS para Arapiraca e ao JA que com certeza caminham juntos e certamente terão pela frente muitas dificuldades, mas também muitas alegrias.



Compartilhe
comentários