O vergonhoso, sofrido e agonizante Mercado da Produção


Márcio Santana

31/03/2017 08h28

Enquanto na maioria dos estados brasileiros o mercado público é tido como uma grande atração não só turística como também para a própria população, aqui em Maceió, devido às péssimas administrações, e o fato da prefeitura insistir em investir apenas nos bairros nobres, posso afirmar categoricamente que é o pior e mais nojento ambiente público que existe nesta cidade. Ali, com certeza falta condições higiênico-sanitárias mínimas na comercialização de alimentos e não possui o mínimo de segurança aos consumidores e comerciantes. Visitar um Mercado Público é um programa imperdível para quem chega à qualquer cidade. Primeiro, pela possibilidade de desfrutar da culinária local, comer um saboroso pastel com caldo de cana por exemplo, de encontrar frutas tropicais em bancas organizadas e limpas, se deparar e aproveitar do prazer de um belo café da manhã em bares bem típicos do nosso nordeste, coisas simples que, quando bem organizadas poderão nos proporcionar um verdadeiro atrativo para frequenta-lo. Quem chega hoje no Mercado da Produção com a intenção de ver algo que ao menos lembre os bons mercados tomará, na verdade, um grande susto com toda aquela sujeira, desorganização, falta de segurança e o mais importante, a ausência de fiscalização. Entendo que devido ao grande volume de mercadorias que ali se comercializa diariamente a situação tanto para o consumidor frequente, como para o turista ou para os proprietários de bares, restaurantes, lanchonetes, hotéis e etc., é bastante delicada, estando sujeitos ao risco eminente de aquisição de produtos contaminados. O velho e sofrido Mercado da Produção, todos sabem, foi construído na década de 80, naquela época, a construção apesar de moderna, se deu numa área de aterro, onde justamente era um mangue, por isso o fato de todas as vezes que chove ocasionar os alagamentos do local. Com a aproximação da semana santa, certamente a procura pelo pescado vai aumentar, e é justamente ai que mora o perigo, pois o pior e mais “seboso” setor dali é sem dúvida alguma o de peixes, frangos e carnes. Simplesmente você não encontra ninguém trabalhando com uniformes adequados, avental, touca ou calçados adequados, a higiene é péssima, todo o engodo dos peixes, vísceras de porco, gado e frango ficam expostas pelo chão provocando um mal cheiro insuportável.


Compartilhe
comentários