“Pode deixar que eu resolvo”


Marcio Santana

07/05/2018 10h11

 

“Meu amigo, se tem uma coisa que me irrita, é o tal do elemento “sínico”, principalmente aquele do tipo que lasca você rindo da sua cara. Sabe aquele infeliz que a gente imagina ser um homem descente e na verdade não vale nem um terço do que o gato enterra. Faz promessas, garante que as coisas vão ser resolvidas, que vai interver a seu favor, que nesse caso você pode contar com o ovo no bocal da galinha, enfim, o verdadeiro ator que chora de comoção pela desgraça dos outros. E, pra acabar de lascar com tudo, acha que tem uma certa influência no governo, mas na verdade não passa de um lambe-botas.

Aqui nessa ALAGOAS DE MEU DEUS, mais precisamente em Maceió, o que mais tem é gente dessa qualidade, principalmente à frente de órgãos públicos, onde deveriam, pelo importante cargo que ocupam, ter o mínimo de respeito com os servidores e consequentemente com a comunidade.

Infelizmente Alagoas, assim como o Brasil, está carente de homens de bem, que tenham a hombridade de agirem coerentemente, sem mentiras, sem falsidades, que possuam vergonha na cara para não aceitarem imposições do “Rei”, que entendam, se é que isso é possível, que com os direitos do trabalhador ninguém pode mexer.

Será possível que não encontremos mais em lugar nenhum, um episódio de honestidade e clareza de atos, que ninguém mais se interesse pelo servidor, que só pensem em se dar bem e que para isso seja necessário massacrar uma classe já bastante explorada, humilhada e sempre colocada em segundo plano?

Pois bem meus amigos, esse negocio de dizer “pode deixar que eu resolvo”, com certeza vocês vão ouvir muito neste período que antecede as eleições, porém, fica aqui o meu alerta e ao mesmo tempo depoimento. Não acreditem nessa qualidade de gente, nem tampouco exerçam de maneira errônea, o importante ato de eleger quem não presta e que certamente só tem compromisso com os “currais eleitorais”, ou seja, a maioria deles. Vamos procurar colocar em evidências pessoas que realmente tenham o intuito de mudar toda essa safadeza que insiste em querer voltar a dominar o Brasil.

Lembro muito bem do impacto que foi a eleição de 2002 com Lula e seus aliados ligados às bases da sociedade. Foi justamente a partir daquele momento que fez-se pela primeira vez, uma revolução democrática e diferentemente de hoje, pacífica no Brasil. Na época as classes dominantes que ao longo de toda a história ocuparam o Estado, garantindo mais seus privilégios do que os direitos de todos, foram banidas do Estado. Um representante das classes subalternas, Lula, chegou a ser Presidente. E realizou uma verdadeira revolução no modo de presidir. 



Compartilhe
comentários