Esportes

Fake news da Federação Alagoana de Futebol gera repercussão negativa


Fonte: Redação com Tribuna Hoje

04/04/2020 18h44

 O Campeonato Alagoano parou dia 16 de março em razão da pandemia do coronavírus. Até a paralisação, cinco rodadas já tinham sido disputadas, e um jogo abriu a sexta rodada da competição, com o empate entre Murici e CSE, por 2×2. Ninguém sabe se o torneio volta e quando volta. Mas esta semana a taça de campeão chegou em Maceió. Está guardada na sede da Federação Alagoana de Futebol (FAF).

Porém, para chamar a atenção para este fato, a entidade decidiu promover uma “ação de marketing”, divulgando uma nota oficial informando o suposto roubo do objeto. Horas depois, veio à público explicar que o roubo não existiu, e que a nota serviu para chamar a atenção para o campeonato.

Para a entidade, a ação foi positiva. “Nossa ideia é chamar atenção para a importância dos campeonatos estaduais (não só o Alagoano) e, como se viu nas publicações, reforçar a importância do isolamento social nesse contexto da epidemia do coronavírus. Utilizamos a temática da série pela relevância, já que foi lançada dia 3 sua nova temporada. A ação ainda está em curso, porém notamos que o alcance superou nossas expectativas e o resultado está sendo bastante positivo’, disse o diretor administrativo da FAF, Junior Beltrão.

Na contramão da entidade, boa parte da imprensa esportiva se posicionou contrária à ação. “Sacada de marketing é desastrosa e de muito mal gosto. Estamos vivendo um momento de stress mundial em função da epidemia do Covid-19, um momento no qual ‘brincadeiras’, ‘pegadinhas’ ou fake news não devem ter espaço, ainda mais quando vem da canais oficiais ou de pessoas com status de autoridade. A frase Somos resistência – Viva o estadual’ teve um efeito contrário”, destacou o cronista Marlon Araújo em seu blog.

“Acho que esse tipo de ruído não agrega nenhum tipo de valor a imagem da Federação. E mostrei o bom exemplo do alagoano Aloísio Chulapa que parece ter a vocação nata para fazer ações bem sucedidas, usando sua popularidade em favor da população necessitada de Santana do Ipanema”, concluiu Marlon.

“Vergonha, a entidade que cuida ou tenta cuidar do pobre futebol alagoano fez boa parte dos alagoanos de chacota a nível nacional com esse fake criado. Problema agora será acreditar nas postagens da FAF quando o futebol voltar, informando tabela de jogos, datas, classificação, divisão de torcidas, arbitragens, súmulas, boletins financeiros etc. Se serão verdade ou mais uma brincadeira (fake) na Casa do futebol. Parabéns aos envolvidos”, ressaltou o cronista Luiz Alfredo.

“Ação de marketing muito mal pensada, mal feita e feita na hora errada! Se a intenção não era iniciar como fake news, que fizessem de outra maneira, não utilizando um crime para chamar atenção. Se o objetivo final da ação era ser notada (FAF) nacionalmente, conseguiu. Porém, de forma negativa e isso não agrega valor algum. Tudo isso, só fez com que o futebol alagoano perdesse credibilidade no cenário nacional, visto que foi a nossa maior representante que realizou a brincadeira”, explicou a cronista Mayara Pita.

“A Federação Alagoana de Futebol divulgou nota oficial informando que a taça havia sido roubada por um grupo com máscaras por volta das 12h30, e depois desmentiu tudo. Foi um 1º de abril atrasado. Na minha opinião foi totalmente desnecessário. Pense no “Marketing” Rubinho Barrichello”, destacou o cronista Luciano Costa.

Ação de “verdade” vai distribuir cestas básicas

Por outro lado, a Federação Alagoana de Futebol irá atender ambulantes que trabalham em dias de jogos no Estádio Rei Pelé com a doação de 125 cestas básicas. Colaboradores da FAF que dependem exclusivamente das partidas também irão ser contemplados. A entidade está fazendo o levantamento com dados para realizar a entrega dos mantimentos neste fim de semana.

Cada cesta básica contará ainda com produtos de material de limpeza como sabão líquido e em barra. As ações propostas pela FAF tiveram início no dia 19 de março. Em parceria com o Tribunal de Justiça (TJD/AL), quando a Federação fez a entrega de 75 cestas básicas para instituições de caridades. Foram contempladas a Casa dos Pobres, o Lar Francisco de Assis, o Abrigo Luiza de Marilac, o Lar Dom Bosco e o Abrigo Maria Júlia Miranda.

Com a paralisação do futebol alagoano por conta da pandemia, a entidade visa diminuir os impactos para as pessoas que dependem do futebol e foram prejudicadas drasticamente com a suspensão do Campeonato Alagoano Smile 2020, a exemplo dos clubes. Para as equipes, a FAF abriu mão das taxas administrativas dos clubes, isentando de pagamento todas as equipes filiadas neste período sem atividades no futebol. Está sendo prestado auxílio jurídico aos clubes. Nas redes sociais e no Campeonato Alagoano de Futebol Digital será divulgado os parceiros escolhidos pelas equipes.



Compartilhe