Esportes

Grêmio atropela o Barcelona no Equador e encaminha lugar na final


Fonte: CORREIO DO POVO

27/10/2017 10h28

u a pressão inicial do Barcelona, como desfilou grandes passes seguidos de gols. Garantiu uma goleada de 3 a 0 diante de um caldeirão em amarelo e encaminhou um lugar na final. Um passo enorme rumo ao tri da Libertadores.

Com o resultado, o Tricolor pode perder por até dois gols de diferença, na Arena, e ainda assim avançar à decisão. No jogo da próxima quarta-feira, poderá comandar as ações e administrar em frente à sua torcida. Antes disso, a equipe encara o Avaí, em Florianópolis, pelo Brasileirão.

Tricolor segura a onda e abre o placar

O primeiro tempo foi acima de todas as expectativas para as metas do Grêmio. O Tricolor resolveu o placar em 20 minutos, calando a torcida equatoriana que lotava o estádio. Os donos da casa tentaram começar em altíssima velocidade, e até assustaram. Antes do ponteiro virar, Caicedo disparou na esquerda e cruzou com muito perigo. Ariel se antecipou e bateu com a canhota, mas mandou para fora.

Com a bola viva, Ramiro respondeu num chute forte, ainda no primeiro minuto de partida. Banguera espalmou e quase sobrou para Barrios, mas a zaga afastou. O Barcelona continuou perigoso e, aos 5, Vera driblou Geromel, invadiu a área e chutou com muito perigo, por sorte à esquerda da meta de Marcelo Grohe.

Mas o Grêmio acalmou a bola, começou a trocar passes e, dois minutos depois, abriu o placar. Arthur lançou Cortez na esquerda, o lateral driblou o zagueiro e cruzou rasteiro. A defesa afastou mal e Luan chegou chutando. Banguera se preparou para saltar na direita, só que o chute desviou em Arreaga traindo o goleiro, que assistiu a bola entrar para o 1 a 0.

Atrás no placar, os equatorianos aceleraram tudo o que podiam, mas cometeram erros e deram espaços para o Tricolor ameaçar. Aos 15, Fernandinho fez jogada ensaiada com Luan, no escanteio. Recebeu na quina da área e chutou muito forte para grande defesa de Banguera.

Grêmio é eficiente e amplia

Cinco minutos depois, Luan foi derrubado na intermediária, pela esquerda. Era longe, tudo indicava um chuveirinho na área. O ângulo era ruim, e a zaga estava lá na frente para cabecear. Mas Edílson pensou diferente. O lateral acreditou e enfiou o pé na bola. Um chute de três dedos passou pela barreira e fez a curva para o canto esquerdo. Quando Banguera enxergou, a bola já estava entrando rente ao poste esquerdo: 2 a 0.

Com grande vantagem fora de casa, o Grêmio recuou suas linhas e o Barcelona passou a empilhar jogadas aéreas. Aos 26, Oyola levantou, Ariel quase chegou para diminuir, mas Geromel deu um biquinho na bola para tirar. Kannemann completou com um balão para a frente.

Aos 30 minutos, Marcelo Grohe precisou trabalhar. Minda recebeu na direita e cruzou rasante. Caicedo se atirou de peixinho onde estaria a bola, mas o goleirão gremista subiu lá no alto e tirou de soco, de forma acrobática. Antes do intevalo, os donos da casa ainda ameaçaram em jogada de Esterilla. Ele cruzou com perigo, Ariel chegou desviando para o gol. Kannemann estava na frente para desviar.

O Barcelona trocou duas peças para tentar a recuperaça na etapa final. Marcos Caicedo e Mena entraram nos lugares de Esterilla e Vera. Aos dois minutos, quase deu resultado, mas um monstro estava sob o travessão gremista. Marcos Caicedo disparou na esquerda, se livrou de dois marcadores e cruzou na área. Damián Diaz aparou de calcanhar, mas Grohe teve reflexou para cair em cima da bola.

Goleada para coroar

O Grêmio tentou responder com Barrios, mas o paraguaio foi desarmado, gerando um contra-ataque fulminante. Mena recebeu na direita e cruzou na pequena área. Ariel estava a um passo do gol e disparou uma bomba. Grohe estava do outro lado da meta, correu, saltou e se esticou. Em milésimos de segundo, a mão do goleiro alcançou uma bola que parecia destinada ao 2 a 1. O camisa 1, então, protagonizou a maior defesa da Libertadores que praticamente valeu um gol.

E o 3 a 0 veio, aos seis minutos, numa grande combinação de Edílson e Luan. O lateral tabelou com o atacante e cresceu na linha de fundo. Driblou Marcos Caicedo e olhou para a área. Luan estava livre na marca do pênalti e recebeu o passe açucarado. Com tempo, enquadrou o corpo e mandou um chutaço no canto esquerdo, goleada sem chances para Banguera.

No desespero, os equatorianos apostaram todas as fichas na velocidade de Marcos Caicedo. Aos 14, ele quase criou a chance de descontar. Cruzou na área, Kannemann afastou de rosca e voltou para o lateral. Caicedo mandou no segundo pau e Oyola tinha toda a meta à disposição. Sem goleiro, chutou por cima.

O Grêmio respondeu em jogada de Luan, aos 19. O atacante abriu com Léo Moura, que substituiu um exausto Edílson na direita. O lateral descolou belo cruzamento para Barrios, que chutou de primeira, mas desviado.

A última cartada dos equatorianos foi Castillo no lugar de Ariel. E ele quase marcou, não fosse o pé de Geromel. Marcos Caicedo lançou Mena, que achou Castillo na área. O atacante girou e chutou, mas parou no pé do zagueirão.

O 4 a 0 quase veio aos 33 minutos. O Grêmio trocou passes na área do Barcelona. Luan para Fernandinho, para Arthur, que abriu com Ramiro. Veio o chute, que desviou caprichosamente à direita. Cansado, Barrios deu lugar para Cícero fazer sua estreia. O jogador contratado especialmente para a competição continental quase deixou sua marca. Aos 43, recebeu na entrada da área e disparou um míssil que passou tirando faísca do ângulo direito.

Ao apito final, a goleada era Tricolor, de quem já começa a pensar na passagem para a Argentina.

Libertadores - Semifinal

Barcelona EQU 0

Banguera; Beder Caicedo, Kunti Caicedo, Arreaga e Velasco; Minda, Oyola, Vera (Marcos Caicedo) e Esterilla (Ayoví); Damián Diaz e Ariel (Castillo). Técnico> Guillermo Almada.

Grêmio 3

Grohe; Edílson (Léo Moura), Geromel, Kannemann e Cortez; Jailson (Michel), Arthur, Ramiro e Luan; Fernandinho e Barrios (Cícero). Técnico: Renato Portaluppi.

Gols: Luan (7min/1ºT e 6min/2ºT) e Edílson (20min/1ºT).

Cartões amarelos: Barrios (G); Beder Caicedo (B).

Árbitro: Néstor Pitana (Argentina).

Local: Monumental Isidro Carmo, em Guaiaquil.



Compartilhe