Esportes

Sem ajuda da Prefeitura, obras do ASA não têm previsão de início


Cinara Correa
Fonte: Redação

21/09/2018 11h13

Mesmo com a liberação de R$ 5 milhões para a recuperação das arquibancadas do Coaracy da Mata Fonseca, em novembro de 2016, até agora as obras não tiveram início. O objetivo, na  época, seria aumentar a capacidade do estádio, para o jogo no dia 1º de outubro, contra o Guarani de Campinas (SP). Na época, foi feita uma força-tarefa para fazer reparos no setor, localizado em frente às cabines da imprensa, a fim de recuperar a capacidade máxima do estádio.

No mesmo ano, o ASA foi rebaixado para a Série D do Brasileiro, onde permanece até agora.

Na época, o então presidente do clube, o radialista Nelson Filho disse que a reforma estaria na fase burocrática e que as obras só começariam em 2018. A Prefeitura deu entrada na Caixa Econômica, de onde a verba foi originada. Após a aprovação do projeto, houve o período de licitação. A expectativa é de que os trabalhos teriam começado final de janeiro, no máximo em fevereiro.

O período previsto para o início das reformas coincide com a provável data do começo do Campeonato Alagoano 2018. Com isso, uma parte do estádio permanece fechada.

Só depois da conclusão desta primeira parte, a reforma seguirá sendo feita nos outros setores.

O Coaracy da Mata Fonseca foi o vigésimo prefeito de Arapiraca. Ao assumir a prefeitura, a cidade tinha apenas 26 anos de emancipação, quando foi disponibilizado um terreno, onde foi construído um campo de futebol. Foi quando surgiu o Ferroviário, com as mesmas cores do ASA: preto e branco. A Associação Sportiva Arapiraquense conquistou o título de campeão alagoano em 1953.

O estádio Municipal de Arapiraca, na Avenida Ventura de Farias, até 1977 não tinha iluminação artificial, gramado, nem lances de arquibancadas. O público assistia aos jogos em pé diante do alambrado no entorno das quatro linhas do campo de terra batida.

REFORMAS

Em 1976, o Fumeirão recebeu as primeiras melhorias. Diante disso, o ASA não disputou nenhuma partida em Arapiraca no campeonato alagoano. Em 1977, recebeu um gramado impecável, fosso divisor da torcida com o campo de jogo, além de refletores e lances de arquibancadas.

Nos dois anos seguintes, recebeu outras melhorias. Durante a administração do prefeito Luciano Barbosa, o fosso foi suprimido; o gramado foi substituído; colocada uma nova iluminação; ampliação das arquibancadas da ala oeste; novas cabines de rádio e televisão; vestiários; uma nova fachada, enfim, o Fumeirão ganhou uma cara nova. Após essa intervenção, o estádio passou a ter uma capacidade de público de 15.000 pessoas.



Compartilhe