Justiça

Julgamento de recurso do prefeito de Maribondo é adiado mais uma vez


Redação
Fonte: Gazetaweb

12/09/2017 11h51

O julgamento sobre a manutenção da prisão do prefeito afastado de Maribondo, Leopoldo Pedrosa, foi suspenso, na manhã desta terça-feira (12), após um novo pedido de vista, desta vez feito pelo desembargador Sebastião Costa Filho.

Durante a sessão desta terça (12), o juiz convocado Maurílio Ferraz proferiu voto-vista divergente do relator. O magistrado votou para substituir a prisão preventiva por medidas alternativas, entre elas a implantação de tornozeleira eletrônica no acusado, a disponibilização de um botão do pânico para as vítimas, e a proibição de o prefeito se aproximar da companheira e da sogra.

Até o momento, votaram, para manter a prisão, acompanhando o relator João Luiz Lessa, os desembargadores Fábio Bittencourt, Elisabeth Carvalho, Paulo Lima e Pedro Augusto Mendonça. Votaram para aplicar medidas alternativas, além de Maurílio Ferraz, os desembargadores Tutmés Airan e José Carlos Malta.

Todos os desembargadores que adiantaram o voto, porém, foram a favor do recebimento da denúncia pelos crimes de lesão corporal e ameaça.

O atual prefeito foi detido em operação da Polícia Civil no último dia 28 de julho, acusado de agredir a esposa e a sogra. A defesa de Leopoldo alegou falta de provas e pediu a liberdade do gestor, mas o Tribunal de Justiça decidiu manter a prisão.

E em virtude do afastamento de Leopoldo, o vice-prefeito, Serginho Marques (PRTB), assumiu a gestão municipal no último dia 17 de julho, depois de a Câmara de Vereadores atender à recomendação da juíza Juliana Batistela para realizar uma sessão extraordinária e decidir ou não pelo afastamento de Pedrosa. Nesta sessão, o Legislativo Municipal decidiu licenciar o prefeito eleito por 60 dias, empossando o vice.



Compartilhe