Meio Ambiente

Tribunal Federal recebe denúncia contra ex-prefeito de município alagoano


Fonte: 7 segundos e Assessoria

12/12/2017 17h46

O pleno do Tribunal Regional Federal (TRF) da 5ª Região decidiu, por unanimidade de votos, receber denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra Jair Lira Soares – o Jairzinho Lira, ex-prefeito de Lagoa da Canoa, que atualmente ocupa uma das cadeiras na Assembleia Legislativa Estadual.

O deputado estadual e ex-gestor do município localizado na Região Metropolitana do Agreste alagoano é investigado de integrar suposto esquema de desvio de verbas para merenda escolar, conforme consta na decisão publicada em 29 de novembro pelo desembargador federal Vladimir Souza Carvalho.

De acordo com o TRF da 5ª Região, Jairzinho Lira é suspeito de integrar uma organização criminosa que usava recursos da merenda escolar em benefício de sua família. Os indícios apontados no processo citam a realização de compras em supermercado vencedor de licitação municipal por familiares do então prefeito de Lagoa da Canoa.

A denúncia formulada pelo MPF aponta ainda possíveis irregularidades em pregões presenciais realizados em 2007, 2008 e 2009, anos da gestão de Jairzinho Lira no município do Agreste alagoano.

A denúncia envolve ainda o empresário José Aloísio Maurício Lira, Fabiana Apóstolo Lira (esposa de Jairzinho Lira e ex-secretária de Assistência Social de Lagoa da Canoa), Maria Alany Lira Soares (servidora da prefeitura de Feira Grande e ex-secretária municipal de Finanças) e Maria Lira Soares (ex-secretária de Educação de Lagoa da Canoa).

Segundo relata o desembargador federal, Jairzinho Lira “efetuou diversas compras de gêneros alimentícios, para si próprio e seus familiares (esposa, pai e irmã) utilizando-se, para tanto, de recursos destinados à aquisição de gêneros para compor a merenda escolar das escolas públicas do Município”.

Os depoimentos colhidos durante a investigação indicam que as comprar eram feitas no Supermercado 15 de Novembro, por meio de notas promissórias, “desde gêneros alimentícios para a própria residência dos denunciados, até uísque e ração para cachorro”, conforme consta no documento que o 7Segundos teve acesso com exclusividade.

Ainda de acordo com trechos do documento, os denunciados apresentaram as respectivas defesas e negam qualquer envolvimento nas acusações feitas pelo MPF.



Compartilhe