Nacional

Roraima quer R$ 180 milhões do governo federal como ressarcimento por gastos com venezuelanos


Fonte: Por Renan Ramalho, G1, Brasília

21/05/2018 10h47

 

A governadora de Roraima, Suely Campos, propôs nesta sexta-feira (18) o ressarcimento de ao menos R$ 180 milhões que diz já ter gastado nos últimos três anos com serviços públicos prestados a imigrantes venezuelanos.

O pedido foi apresentado numa audiência de conciliação com a União dentro da ação na qual o estado tenta, no Supremo Tribunal Federal (STF), fechar a fronteira com o país vizinho – desde 2015, já ingressaram no país mais de 50 mil imigrantes.

A governadora se reuniu por quase três horas com a advogada-geral da União, Grace Mendonça, para negociar um acordo. Questionada sobre se havia desistido do fechamento, Suely Campos respondeu que não.

"Nós continuamos mantendo o pedido de fechamento temporário da fronteira. É um anseio da população, que está sendo impactada no dia a dia. Vagas de emprego estão sendo preteridas para os venezuelanos, deixando nossos trabalhadores da construção civil [desempregados], já que eles cobram mão de obra muito mais barata que os brasileiros", afirmou.

Na audiência de conciliação, ficou acertada uma próxima reunião, no dia 8 de junho, na qual o governo apresentará uma contraproposta, após consulta aos ministérios envolvidos de quanto poderá disponibilizar a mais para o governo de Roraima cobrir os gastos extras que teve com a imigração.

"Roraima não aguenta, não suporta mais arcar com o ônus de tantas demandas no serviço público. Nosso estado é o menor da federação, menor PIB do país, não tem como suportar esse incremento de demanda nos serviços públicos de saúde, educação e segurança", disse a governadora após a audiência.

Ajuda do governo federal

Em entrevista, Suely disse reconhecer que o governo federal, por meio do Exército, tem ajudado o estado com abrigos e com envio de venezuelanos para outros estados.

Informou, ainda, que já deixaram Roraima cerca de 500 imigrantes, mas que diariamente entram até 600 venezuelanos pela fronteira.

"Qualquer ajuda é bem-vinda na situação que o estado se encontra", disse Suely Campos.

O que diz a União

Após a audiência, a advogada-geral da União, Grace Mendonça, descartou o fechamento da fronteira.

Grace declarou, também, que isso não é possível por meio de uma ação no Judiciário e contraria tratados internacionais assinados pelo Brasil na questão humanitária.

"Não há a menor possibilidade de se ter o fechamento das fronteiras. Esse aspecto é inegociável para o Estado brasileiro, para o governo federal. Em relação a esses recursos postulados, o compromisso de encaminhamento às pastas ministeriais. Mas todos nós na certeza de que todo esse valor pretendido precisa também ater-se à realidade que a União já demonstrou e ofereceu para o estado", afirmou Grace Mendonça.



Compartilhe