Nacional

Acusado, Neymar é blindado na Seleção e CBF mantém silêncio


Fonte: TERRA

03/06/2019 09h06

O toque de silêncio foi instaurado na Seleção Brasileira após a enorme repercussão da acusação de que Neymar teria estuprado uma mulher. Se os jogadores já estavam blindados mesmo antes da divulgação do Boletim de Ocorrência (B. O.) no sábado, o cerco se fechou ainda mais e todos evitam o assunto ao máximo. O tema é bastante delicado e a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) tenta não se envolver, mas dá total apoio ao seu principal atleta.

A entidade não divulgou nenhum comunicado a respeito da acusação contra o mais badalado jogador da seleção. Na Granja Comary, ninguém do estafe da seleção quis abordar o tema, considerado "questão estritamente pessoal" do atacante do Paris Saint-Germain. O técnico Tite ainda não se pronunciou também. Ele dará uma coletiva no fim da manhã desta segunda-feira - pela programação original, o técnico falaria somente na terça, mas a entrevista foi antecipada.

Como é de praxe, alguns atletas foram escalados no domingo para dar entrevistas, mas também evitaram comentar sobre a situação de Neymar, apesar das perguntas. Até por isso, não se sabe qual o impacto que a acusação terá no ambiente da seleção, que já tem a pressão natural de disputar o título da Copa América por atuar em casa.

Obviamente, o assunto Neymar percorreu todas as entrevistas na Granja Comary e era nítido o incômodo dos jogadores em cada questionamento. O volante Fernandinho, um dos mais experientes do grupo, defendeu o atacante e disse "estranhar" a acusação de estupro. "Isso vai ser esclarecido o mais rapidamente possível, acredito na inocência do Neymar." O volante foi além e disse que todo o elenco do time está ao lado do atacante. "No que depender de nós e da comissão técnica, vamos apoiá-lo, para que isso não influencie dentro de campo."

Segundo Fernandinho, a acusação não vai contaminar o clima na seleção. O grupo viaja amanhã à noite para Brasília, onde na quarta-feira o Brasil enfrentará o Catar em amistoso preparatório. "Vamos fazer de tudo para que isso não interfira nos dias de treinos e jogos. Tomara que não só ele, mas todas as pessoas envolvidas possam separar bem os fatos", pontuou.

Jogadores mais jovens do grupo, como Everton e Lucas Paquetá, procuraram não se alongar no assunto. "É totalmente pessoal do Neymar, então não tenho nada a declarar", resumiu Paquetá, provavelmente orientado por superiores.

O atacante do Grêmio foi pelo mesmo caminho. "A gente prefere nem comentar esse assunto. É uma questão tão pessoal, tão íntima dele... A gente está aqui para dar apoio no que ele precisar", disse Everton.

O jogador, contudo, comentou as notícias recentes envolvendo Neymar. Primeiro, houve polêmica quanto à liberação antecipada do jogador junto ao PSG. Depois, as dores no joelho que o tiraram dos treinos com bola por dois dias. Agora, a acusação. "Pelo nome que ele tem a gente sabe que qualquer notícia relacionada ao Neymar vai tomar proporções maiores", considerou. "Acho que ele é bem preparado, bem maduro quanto a isso. Já sofreu tantas críticas, algumas até excessivas."

No domingo, mesmo que vários companheiros de seleção procurassem brincar com Neymar em um dos campos da Granja Comary, ele praticamente não sorriu. Foi um dos últimos a entrar no treino e apareceu ao lado de Gabriel Jesus, Thiago Silva, Arthur e Fernandinho. No trajeto de cerca de 50 metros do vestiário até o campo, os quatro que o acompanhavam procuravam demonstrar descontração, mas Neymar se manteve sério.

Até mesmo na tradicional roda de bobinho que ainda antecede todos os treinamentos, Neymar ficou calado. O jogador costuma ser o mais brincalhão nesses momentos, mas na atividade de ontem ele levou oito minutos para esboçar um sorriso.




Compartilhe