Negócios

Reabertura das academias em Maceió ainda exige ajustes no protocolo sanitário


Fonte: Tribuna Hoje / Ana Paula Omena

31/08/2020 22h20

Acapital alagoana segue na fase azul do Plano Estadual de Distanciamento Social Controlado, com autorização para a reabertura de academias e centros de ginástica com 50% da capacidade. O Conselho Regional de Educação Física (Cref) de Alagoas informou que até agora foram fiscalizadas mais de 14 academias, sendo que duas delas funcionavam de forma clandestina, isto é, sem o registro do Conselho.

Antônio Neto, agente de fiscalização Conselho, enfatizou que o saldo foi considerado positivo, embora ainda houvesse alguns ajustes a serem feitos. Segundo ele, entre os principais pontos percebidos do descumprimento em algumas academias, conforme determinação dos protocolos sanitários específicos diz respeito ao espaçamento dos aparelhos. “A maioria das academias não estava cumprindo os dois metros determinados, porque vários proprietários acreditavam que o correto seria um metro e meio”, frisou.

O fiscal mencionou ainda que outra questão observada foi à falta de anteparo de proteção na recepção (painel transparente geralmente de acrílico ou outro material transparente) e também em alguns estabelecimentos não tinha o tapete sanitizante para a entrada.

“Apesar de encontrarmos alguns pontos que precisavam de reajustes, nós percebemos que todos os locais, sem exceção buscaram tomar medidas de proteção. Os casos mais incisivos de necessidade de adequação foram das academias clandestinas (as duas visitadas)”, salientou.

“As academias que estão em funcionamento regular, nós percebemos que os proprietários buscaram se antecipar e não esperar a chegada de equipes de fiscalização para se adequarem. Também alertamos que em um dos estabelecimentos, identificamos uma pessoa sem o devido registro profissional atuando na academia, o que configura exercício ilegal da profissão, que é uma contravenção penal”, explicou o fiscal do Conselho.

Com relação ao fluxo das academias, ele ressaltou que estava menor do que seria possível quando considerado que a capacidade é de um aluno a cada 6,25m². “As pessoas estão com receio ainda de se exercitarem nas academias”, colocou.

PROTOCOLO DE SEGURANÇA

Em uma rede franqueada na capital, o protocolo de segurança tem sido rigoroso, criado com base nas experiências de China, Singapura e União Europeia. Para se ter uma ideia, são 42 itens validados por universidades da Europa e pela USP, para garantir a segurança de alunos e colaboradores.

“Com relação ao distanciamento, instalamos sinalização nas esteiras e bicicletas, nos aparelhos e no chão, para indicar o distanciamento obrigatório de 1,5m de um aluno para o outro. Também é obrigatório o uso de máscara por alunos e funcionários e há recipientes com álcool gel disponíveis em todas as áreas da unidade. A limpeza, nebulização e desinfecção total do ambiente, com produtos bactericidas específicos, é feita três vezes por dia e o volume de ar condicionado é renovado 7 vezes por hora. Os horários em Maceió seguem os mesmos de antes da quarentena, seguindo decisão municipal”, explicou a assessoria da Smart Fit.

Outro cuidado reforçado é na desinfecção que desde a entrada do aluno na unidade foram colocados tapetes higienizantes. “Também disponibilizamos álcool gel em todas as áreas da academia. Com relação aos pesos e aparelhos, há kits em pontos estratégicos para que os clientes façam a higienização, mas a equipe de limpeza está a postos durante todo o período, para garantir que tudo esteja permanentemente higienizado, além da nebulização e desinfecção geral, três vezes por dia”, salientou.

Nas unidades da Smart Fit, os treinos devem ser agendados previamente, pelo site. Cada aluno pode ficar até uma hora na academia. O número de pessoas depende de cada unidade, mas podemos receber até 30% da nossa capacidade total. Dessa forma, temos atendido todos os nossos alunos que querem voltar a treinar.

VIGILÂNCIA SANITÁRIA

A Vigilância Sanitária também está orientando sobre a obrigatoriedade de que exista na academia um plano de emergência para possíveis acidentes ou em caso de que algum aluno passe mal, bem como um relatório descrevendo todas as adequações feitas para o combate ao novo coronavírus.

De acordo com Antônio Neto, foi dado um prazo de adequação para as academias notificadas com irregularidades. “Nós estamos em conversa com a Vigilância Sanitária para continuar as fiscalizações”, avisou o fiscal do Cref.

Antônio Neto orienta que a recomendação do Cref à população é de que fique atenta e exija tanto a regularidade da academia, quanto que somente busquem orientação, com profissionais de Educação Física devidamente registrados no Conselho.

Protocolo recomenda várias regras para retorno das academias

O protocolo de segurança elaborado pela Associação Brasileira das Academias para o retorno das atividades exige além do uso obrigatório de máscaras, medidas de higienização, com disponibilização de álcool em gel inclusive em pontos estratégicos das academias, como áreas de musculação e peso livre, para que os próprios clientes higienizem os equipamentos (colchonetes, halteres e máquinas).

Ainda segundo o documento, durante o horário de funcionamento da academia, cada área deve ser fechada de 2 a 3 vezes ao dia por, pelo menos 30 minutos, para limpeza geral e desinfecção dos ambientes.

Outros procedimentos recomendados no protocolo dizem respeito à limitação da quantidade de clientes que entram na academia; delimitar com fita o espaço em que cada cliente deve se exercitar nas áreas de peso livre e nas salas de atividades coletivas. Cada cliente deve ficar a 1,5 m de distância do outro; renovar todo o ar do ambiente, de acordo com a exigência da legislação, atendendo às normas da ABNT, ou, caso não haja o aparelho, implantar o sistema de ventilação cruzada (abertura de portas e janelas); comunicar para os clientes levarem suas próprias toalhas;

Para as áreas da piscina: garantir a qualidade da água nas piscinas seguindo os critérios estabelecidos de cloração, filtração e controle do ph; saunas, banhos turcos, solários, hidromassagem/ jacuzzi e similares devem permanecer fechados; a piscina deve ser dividida em salas de aula com separação por raias, de acordo com o nível de aprendizagem da turma; disponibilizar, na área da piscina, suportes para que cada cliente possa pendurar sua toalha de forma individual; após o término de cada aula, higienizar as escadas, balizas e bordas da piscina; o vestiário deve ter delimitação em bancos, pias e pisos para que os clientes se mantenham em uma distância de 1,5 m entre eles; diminuir a duração das aulas, como por exemplo, de 45 minutos para 30 minutos.



Compartilhe