Negócios

Polícia Civil reforça importância de incentivo à Campanha Sinal Vermelho


Fonte: Assessoria

09/09/2020 18h49

A Polícia Civil de Alagoas está reforçando a importância de toda a sociedade participar da “Campanha Sinal Vermelho contra a violência doméstica”, idealizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB ), e desenvolvida em todo país.

O delegado-geral Paulo Cerqueira destaca que o engajamento de todos nessa campanha por certo também contribuirá na redução da violência contra as mulheres.

O objetivo da campanha é incentivar denúncias por meio de um símbolo. Ao desenhar um X na mão e exibi-lo ao farmacêutico ou atendente da farmácia, a vítima poderá receber ajuda e acionar as autoridades.

Se uma mulher chegar à farmácia com um X vermelho na palma da mão, deve ser entendido como uma denúncia silenciosa de violência doméstica.

Nestes casos, o farmacêutico ou atendente não deve fazer muitas perguntas e agir com rapidez e acolhimento; de forma reservada e usando os meios à sua disposição, registrar nome, telefone e o endereço da vítima e acionar o 190 (número de emergência da Polícia Militar); se a vítima disser que não quer a polícia naquele momento, deve-se entender; após a saída dela, transmitir as informações pelo telefone 190; o farmacêutico ou atendente não precisam acompanhar a polícia, pois não são testemunhas da violência.

Assim, os policiais acionados para atender a ocorrência não precisam conduzir o farmacêutico ou o atendente até a Delegacia de polícia.

A “Campanha Sinal Vermelho contra a violência doméstica” foi lançada neste período de isolamento social, provocado pela pandemia da Covid-19. Qualquer pessoa pode acessar a cartilha, com todas as informações mais detalhadas sobre o assunto, no endereço: https://www.amb.com.br/wp-content/uploads/2020/06/cartilha-sinal-vermelho-AMB-6.pdf.

A campanha tem o apoio do Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, Abrafarma, Abrafad, Instituto Mary Kay, Governo Federal, Cocevid, Febrafar, Condege, Conselho Nacional do Ministério Pùblico, Ministério Público do Trabalho, Mulheres do Varejo, Fonavid, ProMulher, Conselho Federal de Farmácia, Grupo Mulheres do Brasil e Ligue 180. 



Compartilhe