Polícia

Advogada de Baixinho Boiadeiro questiona perícias da Polícia


Carlo Bandeira e Roberto Baia
Fonte: Redação

05/03/2018 11h35

A Drª Mabylla Loriato Ferreira, advogada do caso Neguinho Boiadeiro e de seu filho Baixinho Boiadeiro, este último, foragido, vem trabalhando no caso sem o cumprimento, por parte da polícia, das regas estabelecidas para o devido acompanhamento dos três inquéritos relativos ao caso Neguinho Boiadeiro, com a não liberação dos inquéritos para a defesa. Uma jurisprudência, do Supremo Tribunal Federal, gerou a Súmula vinculante 14, ou seja, o ato legal  se torna referência a ser seguida, determina que; ‘É direito do defensor, no interesse do representado, ter acesso amplo aos elementos de prova que, já documentados em procedimento investigatório realizado por órgão com competência de polícia judiciária, digam respeito ao exercício do direito de defesa.

“Eu já requeri o acesso aos inquéritos, mas até agora não obtive sucesso, caso que nos leva a crer, que exista algo estranho.

Levando em consideração que até a juíza questiona a demora da liberação do inquérito, para a defesa, em conversa com a Exma. Drª Vilma Renata, do Fórum de Batalha, juíza que preside o processo, a advoga Drª Mabylla, revelou: “ a Meritíssima não encontra razões para o inquérito, já concluído, não ter sido encaminhado para a sua comarca, Batalha, onde ocorreu uma série de eventos interligados ao fato, e sobretudo, não ter sido enviado para a defesa,  após requerimento enviado.

Apesar disso, a defesa tomou conhecimento de alguns pontos da investigação. Dos três inquéritos só tive acesso ao caso do atentado a José Emílio Dantas, que responsabiliza o Baixinho Boiadeiro, ocorrido minutos depois do assassinato do vereador Neguinho, seu pai.

Há forte indícios de manipulação das provas, caso que será questionado em juízo”, afirmou a Drª Mabylla.

Em nota enviada a esta redação, a defesa de Baixinho Boiadeiro, esclarece alguns fatos a serem questionados

A nota:

A defesa de Baixinho Boiadeiro afirma que o mesmo é inocente da acusação do assassinato do Tony Pretinho. A defesa procurou o fórum de Batalha para se habilitar no Inquérito Policial,  ocasião que foi informada que as autoridades competentes ainda  não encaminharam os inquéritos, ao juízo daquela cidade, até o presente momento. 

A perícia será contestada e a defesa provará a inocência de Baixinho Boiadeiro.

Acredita-se que tal acusação, responsabilizando o Baixinho Boiadeiro, pelo assassinato de Tony Pretinho, seja uma retaliação à denúncia de desvios de verbas da assembleia legislativa, levantadas por seu pai Neguinho Boiadeiro, sendo assim, uma maneira de fragilizar a idoneidade dessa denúncia. Vamos provar a veracidade dos fatos e sua integral inocência.

Até o presente momento a defesa só teve acesso às informações publicadas pela imprensa. 

Já no caso do Zé Emílio, a defesa teve acesso aos autos e também irá contestar a perícia;  policiais da cidade de Batalha mexeram na cena do crime antes da chegada dos peritos.

Nos autos constam provas neste sentido.

A exemplo de uma cápsula de projétil de arma de fogo, achada em frente da casa do srº Zé Emilio e que foi entregue por um policial com mãos desnudas ao perito. Procedimento completamente errado para o caso.

Quanto à ação,  Baixinho Boiadeiro agiu sobre violenta emoção após injusta provocação da vítima. Após tomar conhecimento do brutal e covarde assassinato do seu pai,  ao passar pela rua, deparou-se com Zé Emílio sorrindo do seu desespero, e pior, atirou contra o Baixinho,  ocasião que de modo impensado reagiu,  saindo do seucarro em sentido a Zé Emilio, que correu para dentro de sua casa”.

Ao contrário do que foi afirmado pelo delegado,  que Baixinho estava com dois capangas e todos foram indiciados, o Inquérito foi concluído,  oferecida a denúncia e somente o Baixinho foi indiciado e posteriormente denunciado pelo caso do Zé Emílio.

Caso que também iremos provar a inocência de Baixinho Boiadeiro. Esses, são os verdadeiros e irrefutáveis fatos.

Drª Mabylla Loriato
Drª Mabylla Loriato


Compartilhe