Polícia

Servidores de Maribondo cobram pagamento de salários nas redes sociais


Fonte: Já é Notícia

06/11/2018 10h38

Cerca de 50% dos funcionários públicos de Maribondo, no Agreste do Estado, estão sem receber seus salários e os aposentados já contabilizam dois meses sem os vencimentos em conta. Servidores denunciam que a prefeitura 'escolhe a quem paga'.

O drama aumenta a cada dia e muitos servidores já tratam a questão como humilhante já que não conseguem honrar seus compromissos. Nas redes sociais, vários são os relatos de funcionários indignados com a situação. 

Num deles, cuja identidade não será revelada, há praticamente um pedido de socorro às autoridades competentes para que ajudem a classe trabalhadora em atividade e aos aposentados também. A mensagem é tocante e revela a necessidade das pessoas para comprar alimentos e medicamentos. 

“Aposentados e pensionistas do município de Maribondo pedem socorro das autoridades competentes pra ajudarem essa classe tão sofrida, humilhada. Para que os aposentados recebam seus salários, pois os mesmos estão vivos, precisam se alimentar, pagar a farmácia e outras contas. Todos já contribuíram o município e não é justo ficar sem receber dois meses sem nenhuma satisfação dada pelo gestor. Tenha consciência e pague que é obrigação sua”, diz um dos textos extraídos de uma página na internet.

Em Setembro deste ano, o vice-prefeito de Maribondo, Serginho Marques (PRTB), que rompeu com a administração, cobrou responsabilidade do prefeito Leopoldo Pedrosa (PRB) que não está pagando o salário dos servidores em dia. Segundo o vice, no mês de Agosto a prefeitura gastou uma fortuna com shows e fogos na festa de aniversário da cidade e atrasou o pagamento dos funcionários públicos.

Nesta segunda-feira (5) servidores disseram que a secretaria de finanças, cujo titular é o próprio filho do prefeito, informou que cerca de 50 ou 60% da folha j´pa teria sido paga e que o restante será repassado até o dia 10 deste mês, mas não há previsão de pagamento aos aposentados e pensionistas. 



Compartilhe