Polícia

Prefeito de Palmeira dos Índios aciona polícia e diz que foto em que aparece nu é falsa


Fonte: G1 Alagoas

02/12/2018 09h56

O prefeito de Palmeira dos Índios, Agreste de Alagoas, Júlio Cezar (PSB), denunciou neste sábado (1) que foi vítima de um crime cibernético. Em um vídeo publicado nesta tarde em seu perfil no Instagram, ele conta que circula pelas redes sociais uma foto em que apareceria nu, mas que na verdade, se trata de uma montagem. O caso foi denunciado à polícia.

Ao G1, o prefeito contou que ficou sabendo da foto pela manhã, através de vários telefonemas.

“A montagem é muito grosseira. Eu sou ‘preto’, o corpo é branco, feio. É visível a emenda que fizeram entre meu rosto e a imagem. Além disso, a foto é embaçada, de má qualidade, desconfigurada, que chegou, inclusive, a um grupo de São Paulo, de onde saiu a primeira postagem”, relata.

Ele diz ainda que acionou seus advogados imediatamente, e registrou um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil.

“Já conversei com o doutor Paulo Cerqueira (delegado-geral da Polícia Civil), e ele me passou para a Deic (Divisão Especial de Investigações e Capturas). O caso já está com o delegado Thiago Prado (que investiga crimes cibernéticos). Na semana que vem, serei ouvido, e levarei uma série de informações que foram chegando ao nosso conhecimento sobre esse caso, e que ajudarão o trabalho da polícia”.

O caso denunciado pelo prefeito é semelhante ao que ocorreu com o então candidato ao governo de São Paulo, João Dória (PSDB). Um vídeo íntimo, também divulgado pelas redes sociais, mostrava o que seria Dória com outras seis mulheres. A perícia chegou à conclusão de que se tratava de uma montagem.

“Sou uma pessoa pública. Tenho família, filha, amigos. Isso é feito com o intuito de ferir tua honra, desmoralizar, macular a imagem pública do prefeito. Acho que não se faz oposição assim. Isso aconteceu comigo, aconteceu com o Dória e pode atingir a qualquer um. É uma situação difícil, sua filha ver um negócio desse. Sou mais um a cair nessa teia, e oriento às pessoas que também foram vítimas, que sempre procurem a polícia e denunciem”, afirma, já emocionado.



Compartilhe