Política

Sindicato dos funcionários da Prefeitura de Pão de Açúcar pressiona prefeito Clayton Pinto


Fernando Vinicius
Fonte: Redação

09/07/2020 07h46

Pessoal lotado na Secretaria Municipal de Educação, mas prestando serviço em outros setores da Prefeitura de Pão de Açúcar. Gente nomeada para cargos inexistentes e sem dar um dia no serviço público do município banhado pelo Rio São Francisco, já na região sertaneja alagoana. Tem até vice-diretora nomeada para escola onde nunca compareceu, mas recebe salário em dia.

Todas essas irregularidades ocorrem na gestão do Prefeito Clayton Farias Pinto, de acordo com a presidente do Sindicato dos Funcionários Municipais de Pão de Açúcar (Sifumpa), Maria de Lourdes Cardoso. Em rede social da entidade, ela divulgou as denúncias por meio de vídeos nos quais relata os crimes que afirma ter provas, conforme registros que o sindicato identificou no portal da transparência da Prefeitura de Pão de Açúcar e que já levou ao conhecimento do Ministério Público Estadual, segundo confirmou ao Jornal de Arapiraca.

Depois do contato inicial mantido na terça-feira, 07, com a presidente do Sifumpa sobre a pauta gerada a partir dos vídeos, a reportagem só conseguiu novo retorno de Lourdinha Cardoso – como a dirigente sindical é conhecida – perto do meio-dia de ontem, por motivo justificável.

Reunião

“Eu estava numa reunião na prefeitura e acordamos ter uma nova rodada de negociação, na sexta-feira, com os vereadores, o prefeito e o secretário de Educação”, informo a presidente do Sifumpa, frisando a busca por solução dos problemas e a luta pelo reajuste salarial para professores e demais trabalhadores, assunto que já deveria estar resolvido desde maio, mês da data-base do funcionalismo municipal de Pão de Açúcar.

Nos vídeos postados na Internet, Lourdinha Cardoso questiona os argumentos que já teriam sido apresentados pela administração de Pão de Açúcar para não efetivar o piso nacional do magistério. Ela afirma que, desde de janeiro, o sindicato apresenta a pauta de reivindicações, recebendo acenos positivos do prefeito Clayton Pinto que sempre volta atrás, agora alegando a crise desencadeada pela pandemia do coronavírus.

A presidente do sindicato rebate e frisa que os recursos repassados pelo governo federal para a Educação, verba carimbada para pessoal, não foram afetados e são transferidos normalmente. Além disso, de forma incisiva e sempre afirmando ter provas documentais sobre as denúncias, ela denuncia irregularidades do Secretário de Educação, José Antonio Vieira dos Santos.

Moeda de troca

Na argumentação em defesa dos efetivos, sobre até para os vereadores de Pão de Açúcar. Apontados como responsáveis por indicar contratados, os parlamentares se omitem de atuar pelos concursados para não perder a ‘moeda de troca’, ou seja, assegurar voto para reeleição com apadrinhamento de pessoal.

“O que não é possível é que o servidor concursado, que tem seu direito garantido, ser colocado na forca por causa dos contratados”, diz Lourdinha Cardoso. Ela cita que há funcionário público estadual com 40 horas no município e mais 25 no município, nomeado para cargo de coordenação, perguntando em que horário essa pessoa trabalha. Tem também gente que recebe um bom salário, como professor, mas não é encontrada em nenhuma sala de aula das unidades da rede municipal de ensino.

Servidor fantasma

Tem até gente que nem mora em Pão de Açúcar e está na folha de pessoal da Educação, segundo a presidente do Sifumpa, criticando a justificativa apresentada pelo governo que alega impossibilidade financeira de conceder reajuste salarial.

“Nós servidores não temos que pagar o pato para vocês fazerem política. Cadê a responsabilidade fiscal? Cadê vocês vereadores? Até quando vamos passar por isso?”, questiona Lourdinha Cardoso, mencionando a economia para os cofres do município por conta da suspensão do ano letivo e a realização de eventos.

A presidente do Sifumpa fala ainda sobre o suposto débito herdado pelo atual gestor da educação municipal do antecessor, todos do mesmo governo. Em dezembro de 2019, o então prefeito Flávio Almeida renunciou ao cargo. Em seu lugar, assumiu o vice Clayton Farias Pinto, pessoa que tem o respeito da sindicalista, exceto como gestor público, conforme afirma.

“Prefeito, o recurso não é seu, é nosso. Se o senhor não entende, o Ministério Público vai fazer você entender”, diz Lourdinha Cardoso no vídeo. Parece que o recado foi compreendido, do gestor aos eleitos para fiscalizar a Prefeitura da Pão de Açúcar.

 

 



Compartilhe