Política

Dada largada para a disputa eleitoral em busca do comando da Prefeitura de Maceió


Marcos Felipe
Fonte: Redação

18/09/2020 08h33

A eleição para a Prefeitura de Maceió inicia sem um nome favorito, prometendo ser uma das mais disputadas dos últimos anos. No elenco, os maceioenses poderão escolher entre um deputado estadual, outro federal, um ex-procurador e até ex-prefeito que colocam seu nome para julgamento popular, ao lado de candidaturas que tentam ganham destaque em meio aos nomes de maior peso.

Do Partido Socialista Brasileiro (PSB), o deputado federal JHC terá como vice Ronaldo Lessa (PDT), político que já foi vereador e prefeito de Maceió, governador de Alagoas e deputado. Na convenção, JHC deu o tom da campanha falando das boas relações com o governo federal.

“Nós temos em Brasília uma boa relação com o governo federal e Maceió não pode se dar ao luxo de achar que vai ser administrada sem o governo federal. Muito pelo contrário, nós vamos preparar um bom time técnico, bons projetos e o governo federal será um aliado de primeira hora”, ressaltou João Henrique Caldas.

Durante as próximas semanas, a população deverá ser escutada em sua campanha. “Nós vamos de ouvidos atentos consultar a população e construir um plano de governo que nós precisamos para tornar Maceió uma cidade mais inclusiva, uma cidade do bem estar e uma cidade criativa para poder, sobretudo, materializar muitos sonhos que estão represados da nossa querida capital”, afirma JHC.

 

Alfredo Gaspar do MDB

Outro nome de peso nas eleições 2020 em Maceió é o do ex-chefe do Ministério Público de Alagoas e ex-secretário de Estado de Segurança Pública, Alfredo Gaspar, escolha oficializada pelo MDB na terça-feira (15).

“Levarei adiante uma campanha limpa, legal. Quero que as pessoas sintam em mim a vontade de mudar o destino de Maceió para melhor. Meu foco inicial será a saúde pública - pelo que o povo maceioense e alagoano está passando com essa pandemia”, afirmou o procurador do MP que se encaixa no perfil de figura pública qualificada, sem o estigma de político profissional.

O candidato do MDB falou sobre o foco do programa de governo. “Uma cidade que funciona precisa dirigir sua atenção e suas ações para os eixos principais: mobilidade e acessibilidade, urbanismo, saúde, educação, energia, economia, meio ambiente, tecnologia e inovação, segurança, empreendedorismo e governança”.

 

DD Progressistas

Em seu segundo mandato como deputado estadual, Davi Davino (Progressistas) foi desde o final do ano passado tentando ganhar destaque no cenário político para ficar na memória dos maceioenses.

“Existe uma Maceió onde tem iluminação, saneamento básico, segurança. Na outra Maceió, falta muita oportunidade. Vamos começar trabalhando por aqueles que mais precisam”, disse em seu discurso no lançamento de sua campanha.

“Eu quero ser prefeito de Maceió porque conheço a realidade das pessoas. Por muito tempo eu tive a oportunidade de conhecer de perto muitas vidas. Isso sempre me motivou a trabalhar muito. Não tenho dúvida de que apresentaremos a toda população de Maceió o maior e o melhor projeto que essa cidade já viu. As expectativas são as melhores de todas, apresentaremos um projeto belíssimo”, completou.

 

Cícero Bolsonaro

Após ser deputado federal e não conseguir se reeleger, Cícero Almeida (Democracia Cristã) tentará mais uma vez comandar a cidade Maceió, apostando no em sua proximidade com Bolsonaro e os filhos do presidente.

 

Assim como JHC, o candidato enaltece sua relação com o governo federal. “Tem alguns candidatos que são inimigos ferrenhos do presidente da República. Sou amigo do presidente e dos filhos dele. Então tem essa facilidade, também sou amigo de três ministros e acho que isso vai facilitar a buscar recursos para reconstruir Maceió”.

 

Cícero Almeida também recorre ao passado para tentar sensibilizar os eleitores. “Fizemos uma história muito bonita na Prefeitura de Maceió. Posso dizer que foram oito anos de lua de mel com os servidores e a população. Me sinto hoje no dever de dar continuidade ao que iniciamos. Estamos prontos e preparados para fazer Maceió sorrir novamente”.

 

Valéria PSOL

 

Uma surpresa que pode “fazer barulho” durante a campanha veio do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) que oficializou a candidatura de Valéria Correia, ex-reitora da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

 

“É uma candidatura e é um partido que vêm para propor uma nova forma de administrar a cidade com transparência, prestando contas à população, com audiências públicas, levando a prefeitura à periferia, dialogando e trazendo todos os problemas sociais para ser enfrentados de forma coletiva, ouvindo o povo e cuidando da cidade para que todas e todos, de fato, tenham condições dignas de vida mais igualitária. É isso que a gente propõe para a cidade de Maceió”, afirmou.

 

O tempo de reitora na maior instituição de ensino superior do Estado não ficará de fora de sua campanha. “Se a gente mostrou que outra Ufal é possível, mesmo em crise, em tempos de crise econômica, a gente tem condições de mostrar que outra Maceió é possível. Com democracia, com conselhos populares, com a periferia, ouvindo e trazendo a periferia para perto do poder, para o poder”.

 

A lista das candidaturas em Maceió tem ainda Cícero Filho (PCdoB), Corintho Campelo (PMN), Josan Leite (Patriota), Lenilda Luna (UP) e Ricardo Barbosa (PT).

 

Pesquisa Data Sensus

 

O Instituto Data Sensus divulgou na última segunda-feira (14) uma pesquisa sobre a intenção de voto do eleitorado aos candidatos à prefeitura de Maceió. Na pergunta espontânea, Alfredo Gaspar (MDB) aparece com 7,7% das intenções de voto; seguido de JHC (PSB), com 5,2%. Davi Davino Filho (PP) tem 1,2% das intenções, mesmo percentual registrado para Rui Palmeira, prefeito atual da capital e que não é candidato.

 

Na pesquisa estimulada, JHC aparece com 23% das intenções de voto, seguido de Alfredo Gaspar com 20%, situação que se considera empate técnico. Cícero Almeida conseguiu 15%, Davi Davino 10%, Ricardo Barbosa 2% e Lenilda Luna 1%.

 

No levantamento, registrado na Justiça Eleitoral sob o número AL00093/2020, foram entrevistados 1.205 eleitores, com margem de erro de 2,8 pontos percentuais para mais ou para menos. Sobre os resultados encontrados no total da amostra, e intervalo de confiança de 95%.

 

Foto: Agência Câmara
Foto: (Ascom MPE)


Compartilhe