Política

Afastamento do presidente da Câmara de Palmeira deverá ser votado na próxima quarta-feira


Redação

01/09/2017 17h42

A Câmara de Vereadores de Palmeira dos Índios deverá analisar na próxima quarta-feira (6), requerimento protocolado na última quarta-feira e assinado por dez vereadores, solicitando o afastamento do presidente da Mesa Diretora, Junior Miranda (PSL) e do primeiro secretário, Fabiano Gomes (PSD).

O requerimento foi lido em sessão extraordinária da última quinta (31) e, segundo o Regimento Interno, só poderá retornar para apreciação em uma outra sessão extraordinária, que deverá acontrecer após a sessão ordinária da próxima quarta-feira. Ainda segundo o Regimento Interno, caso haja uma outra sessão antes dessa para a votação, ela não terá validade.
As duas representações protocoladas pelos dez vereadores são coletivas, sendo uma contra cada vereador da Mesa Diretora.
O documento foi entregue pela procuradora da Câmara, advogada Aline Canuto, atendendo à solicitação de dez vereadores, que questionam a prestação de contas do presidente Júnior Miranda.
Contra Miranda pesa a acusação que não foi apresentado ao Plenário o demonstrativo de recursos e as despesas mensais, o que deve, regimentalmente, se proceder até o dia 20 de cada mês. Segundo os membros do Grupo dos 10, a documentação não vem sendo protocolada.
Contra o secretário da Mesa Diretora, Fabiano Gomes, consta a acusação de ausência do Portal da Transparência, não atendendo, desta forma, o que reza a Lei 12.527 de 18/11/2011, que exige o funcionamento dessa publicação, para dar publicidade a todas as receitas e despesas da Câmara.
 
Retaliação  seria contra o corte de cargos comissionados
Miranda alega que os vereadores que requisitaram a documentação estariam ‘revoltados’, porque ele cortou os cargos comissionados de todos eles. Informou, ainda, que a Câmara não está deficitária e que possui um saldo positivo de R$ 280 mil, como chegarem a alegar os vereadores qwue pedem a sua saída da presidência do poder.
Júnior Miranda solicitou a quebra de todos os seus sigilos e pede que os dez vereadores tomem a mesma iniciativa. “Quero que meus sigilos sejam quebrados e que tenham o acompanhamento do Ministério Público e da Polícia Federal. Espero que os nobres colegas façam o mesmo”, sustentou.
Assinaram o requerimento que pede a saída do presiente e do primeiro secretário os vereadores Ronaldo Raimundo Filho, Maxuel Feitosa, Pedro Gaia Bisneto, Fabio Targino, Abraão do BMG, Madson Monteiro, Joelma Toledo, Val Enfermeiro, Agenor Leôncio e Cristiano Ramos.


Compartilhe