Política

Batalha sangrenta em Alagoas


Carlo Bandeira
Fonte: Redação

17/11/2017 13h10

Há anos, Alagoas vivia calmamente o seu dia a dia. Feridas abertas continuavam a ameaçar a segurança vital na política. Nesta quinta feira (09), o sangue derramado na cidade sertaneja de Batalha, alerta todos para uma possível retomada da violência. Com a emboscada que vitimou o vereador Adelmo Rodrigues de Melo, o Neguinho Boiadeiro, Alagoas revive anos quentes na política local. Lembrando a guerra na Assembleia Legislativa, há décadas, e o assassinato de Marques da Silva, em Arapiraca, o Estado de Alagoas revive momentos de insanidade. Ano passado, em meados de novembro, em plena campanha, houve mortes envolvendo familiares dos Boiadeiros. Até então, a família tratava do assunto diretamente com a Secretaria de Defesa Social do Estado de Alagoas. Pedia justiça na forma da lei. Contudo, essa morte reacende uma discussão que gira em torno de vinganças entre famílias ligadas ao poder político da região. Acusações fortes da parte dos atuais administradores de Batalha foram gravadas e apresentadas em público. Não cabe mais, em Alagoas, esses acertos de contas à bala.                                                                O Estado marcado pela violência histórica havia acalmado essas práticas truculentas. É difícil acreditar que Alagoas carrega em seu DNA essas características. Pois, quem conhece o seu povo sofrido, desfaz de imediato este estigma. Um povo trabalhador, hospitaleiro, por incrível que pareça, é o mais evidente traço de sua população. O Estado não pode mais conviver com esses surtos de bravuras pessoais que só “indignificam” uma sociedade que tenta, ainda, formar uma índole coletiva, pois, com apenas 200 anos, Alagoas busca uma identificação que reforce a alma alagoana, que, com certeza, não tem mais espaço para brilhar nos destinos de nossa sociedade. Que o Estado de Alagoas recobre a justiça, entenda e conviva com as diferenças ideológicas, partidárias e pessoais. E, ainda, aprenda de uma vez por todas, que as divergências só vão sarar com o entendimento que as várias opiniões desemboquem em um único Estado com várias vertentes, mas um Estado para todos. Todos nós torcemos para que o Estado de Alagoas se torne o único berço para todos nós, e desague fraterno, acolhedor e mais justo, em nosso futuro, para o bem da nossa terra e nossos filhos!  



Compartilhe