Política

Dura lex, sede lex em Alagoas!


Carlo Bandeira
Fonte: Redação

13/04/2018 13h56

A justiça anda solta nas Alagoas, terra dos marechais. A Polícia Federal nunca trabalhou tanto, aqui por esses lados.

Operação em cima de operação. Prisão de prefeitos, agentes administrativos públicos, parentes e aderentes dos demandantes de despesas estão na mira certeira da PF.

Alagoas paraíso das Águas parece estar deixando de ser o paraíso das falcatruas, das merendas desviadas, das águas minerais compradas a peso de ouro, das compras de medicamentos, onde o que se compra são só as caixas de remédio, e o que são entregues são só as notas fiscais geladíssimas.

 A farra nas licitações, com dinheiro oriundo do governo federal, trouxe até nós o dedo das investigações e indiciamentos dos fraudulentos homens da política alagoana. Claro que não são todos. Porém, o número é estarrecedor dos que tentam, com ilusórias e vans promessas, ludibriarem a esperança de um povo que ostenta, graças a esses senhores dos sonhos populares, a esperança de viverem a cidadania, tão propalada entre os detentores do poder.

Alagoas, venhamos e convenhamos, não traz nos seus bordões índices aprazíveis de alfabetização, de remuneração, de dignidade “cidadânica”. Uma população cheia de encantos; os caiçaras, os agrestinos e sertanejos, todos ávido de justiça, de igualdades e de oportunidades. O analfabetismo ainda assombra às nossas possibilidades de desenvolvimento paritário entre os pobres mortais, aqueles que se arranham com os pelinhos da cana, dos que comem em marmitas no meio da rua, espremem-se em ônibus que mais parecem latas de sardinha, que lutam com o gado magro por entre às catingas. Esses são os alagoanos que nos dão orgulho.

Mas o sono, hoje, é tranquilizador entre os homens e mulheres de boa vontade. Só entre eles, pois, entre os patronos do apogeu administrativo, a coisa está ficando preta.

Noites em claro são as marcas das noites não dormidas, por medo ou peso na consciência, ou ainda por excesso de saldo nas contas bancárias, pelo dinheiro arrecadado dos cofres públicos.

Dura lex, sede lex; A lei é dura, mas é a lei. E tem que ser pra todos, pra todos. Aleluia!



Compartilhe