Política

O otimismo é a fé em ação.


Eduardo Tavares
Fonte: Redação

04/08/2018 17h09

 

Por: Eduardo Tavares
O eleitorado brasileiro não se apercebeu, ainda, do risco que o País corre,  de declinar mais ainda,  a depender do resultado das urnas, em outubro próximo.
O desmantelamento da máquina estatal é absurdo e descomunal, o que já é  motivo suficiente para se escolher os futuros mandatários do Brasil, e os legisladores, com base nos princípios da reconhecida competência e da honestidade!
Com um desenvolvimento  econômico, no primeiro trimestre deste ano,  praticamente zero, as projeções de crescimento para 2018  já apontam para índices inferiores à casa dos 2%.
Com receio "disso" que está por vir, as pessoas têm consumido menos. A partir de 2014, a economia brasileira passou a  enfrentar fortíssima recessão. 
O fato, gente, e que, até agora, nenhum dos pretensos candidatos à presidência  da República apresentou um plano de governo inteligente, e, sequer, medidas necessárias de impacto foram anunciadas! Estão todos como cego em tiroteio! Muitos querem o poder pelo poder, e só!
A situação é gravíssima e piora quando observamos que, "a latere",  vivemos, também, uma profunda crise ética e moral na política nacional. E mais,  a incapacidade que o governo tem demonstrado em movimentar  a atividade econômica é visível. Basta ver a queda do PIB! O governo do presidente temer deu, no início,  um colorido à gestão, mas essas cores já desbotaram.  
Puro delírio. O pior não ficou para trás. O pior está por vir! 
A grande tarefa, a grande missão, é aumentar a produção, fomentar dosadamente o consumo, incrementar as exportações e cortar gastos, dentre outras medidas.
 O futuro governo, pois,  para sair da crise, deverá perseguir o imprescindível equilíbrio fiscal.
A tarefa é difícil. 
Mais do que nunca, o Brasil precisa de cabeças pensantes em todos os setores! Mais do que nunca o Chefe da Nação precisa preencher requisitos fundamentais para o exercício do cargo! Liderança, conhecimento geral, atitude e coragem! Confesso que não enxerguei nos  postulantes apresentados, até o momento,  nenhuma dessas características! O que temos visto são demonstrações  de grande despreparo por parte dos  aspirantes ao nosso cargo maior. Por outro lado, não teremos grande renovação nas casas legislativas! 
Apesar de me sentir um otimista, e o otimismo, já dizia o Márquez de Maricá, "é a fé em ação", não vislumbro melhoras em nosso País, pelo menos em curto prazo ou  em um futuro próximo! 
Estamos carentes de líderes! Estamos sem norte! Na verdade a nau está à deriva e ninguém aí tem força para segurar o timão. Sem opções, e sem motivação, o brasileiro está pouco se lixando para esse estado caótico. Isso é bem típico do nosso povo.
Em uma sociedade capitalista, mas  democrática, o desenvolvimento decorre da produção, do consumo, da correta distribuição de riquezas e de justiça social. Estamos muito longe disso! O nosso futuro, contudo,  depende da união das pessoas, nessa travessia em mares e ares turbulentos! Seria muito bom se nós conseguíssemos mudar pelo menos 70% dos políticos que estão empuleirados no poder, hoje! 
Que, pois, surjam os candidatos! Que se mostrem os projetos governamentais com as políticas traçadas frente aos  5 eixos fundamentais para a nossa sobrevivência com dignidade: educação, produção de rendas e empregos, saúde, acessibilidade e segurança pública. Que façamos as escolhas políticas certas! Que punamos, exemplarmente, esses larápios do colarinho branco, travestidos de políticos! Que voltemos, enfim, a ter amor próprio, orgulho de nosso torrão e senso de superação. Esse é o otimismo traduzido pela fé em ação acima referido. Boa noite.

 



Compartilhe