Política

PREFEITO BRIGA COM ALIADOS, PERDE METADE DOS SECRETÁRIOS E MERGULHA ARAPIRACA NO CAOS


Carlo Bandeira
Fonte: Redação

14/09/2018 10h53

São 70% de desaprovação popular, segundo pesquisa divulgada amplamente na mídia local, que separa a gestão do prefeito Rogério Teófilo, de uma administração que atenda as necessidades de uma população da região de Arapiraca.

Uma administração marcada por várias denúncias na seara jurídica, como licitações questionadas, convênios e contratações de prestadores de serviços, no mínimo, fora das formalidades que regem a Administração Pública, a gestão Rogério Teófilo enfrenta mais uma situação constrangedora, e que ocasionou a dissidência, dentre tantas outras alianças que pularam do barco da atual administração.

Mais de R$ 6 milhões em obras paralisadas; a UPA abandonada, sem conclusão, torna-se o símbolo da atual administração; a SSMTT com várias observações negativas, feitas por vereadores que apontam falhas graves na autarquia; a Educação com atrasos na carga horária das aulas, servidores públicos descontentes prejudicando os alunos da rede pública municipal, devido à maior greve dos profissionais da educação já vista em Arapiraca; uma inércia administrativa que não atende ao interesse público arapiraquense, Segundo o desabafo do ex-vereador Dudu Albuquerque.

Em entrevista concedida ao Jornal de Arapiraca e ao site Sete Segundos, o ex-vereador, e ex-deputado estadual, Dudu Albuquerque, revelou os motivos que o levaram, ele e sua família, ao rompimento da gestão do prefeito Rogério Teófilo, com a exoneração de Amilka Melo, esposa do ex-deputado, como já fizeram Severino Pessoa e sua esposa, a vice-prefeita Fabiana Pessoa, que deixaram a administração por concluírem que nada acontecia, como também, Julio Houly, Mônica Pessoa e tantos outros aliados que se desligaram da administração de Teófilo.  

Dudu Albuquerque: “Eu não sou daqueles, “quanto pior melhor”. Eu torço como arapiraquense que sou, eu, meus filhos e toda a minha família, que essa gestão comece, de fato, a trabalhar. Pra vocês terem uma ideia, ano passado , em plena comemoração de mais um aniversário da nossa cidade, a prefeitura não inaugurou obra alguma, em Arapiraca”, e parece que esse ano vai ser do mesmo jeito, enfatizou Albuquerque. E, com tantas exonerações a pedidos e exoneração de próprio punho, no secretariado, Arapiraca continua parada, há 1 ano e nove meses, e nada acontece. Então se percebe que o problema é de gestão pública, é do gestor público de Arapiraca”, é causada por inércia do prefeito, continua Albuquerque.

“Como a gente foi praticamente esquecido pelo prefeito, nossa família resolveu assumir outros compromissos políticos. Eu fui ao gabinete dele, há mais de um mês, com a carta de exoneração da minha esposa. A gente queria sair pela porta da frente, assim como entramos. Entendo que não é prudente continuar neste projeto, porque não vamos apoiar os mesmos candidatos, além de não confiarmos mais nesta atual gestão, porém, ele pediu que eu tivesse paciência e analisasse melhor. Não tenho nada contra o senador Benedito de Lira, isso é questão de opção. Fui duas vezes para entregar a carta de exoneração. E esta semana, fomos pegos de surpresa. Acho que foi da maneira da maneira mais desrespeitosa. Excluíram Amilka do grupo de secretários no WhatsApp, a exoneração dela saiu sem sequer ter tempo de fazer a despedida dela, ou pelo menos ir pegar suas coisas na gaveta da Secretaria. Só soubemos porque um assessor de imprensa da Prefeitura ligou pra Amilka e informou que ela tinha sido exonerada”, comentou Dudu Albuquerque ao Jornal de Arapiraca e ao Site Sete Segundos.

“O maior legado de um político é a palavra. A política é feita de palavra empenhada e de compromisso. E o acordo foi desrespeitado pelo prefeito Rogério Teófilo, quando lançou o seu filho, Moacir Teófilo Neto, como pré-candidato a deputado estadual. A partir daí, desandou toda e qualquer possibilidade de acordo, entre outros enganos desta administração.

Já havíamos celebrado um acordo, até mesmo, anterior à campanha que o levou para a prefeitura, e que ajudamos a vencer. E o acordo era apoiar o Breno Albuquerque, meu filho, para a sua campanha à Casa Tavares Bastos.

Segundo Dudu Albuquerque, “para ter o apoio do prefeito Rogério Teófilo, eu teria que desfazer outro acordo, e isso não combina comigo. Apesar da demora por parte do grupo do prefeito, em decidir a sua posição política, que, aliás, já havia sido firmada anteriormente.

Mas com a quebra do acordo pelo prefeito, nosso grupo político esolveu apoiar o  outro grupo, justamente, por achar que será melhor para Arapiraca e Alagoas”.

“O Rogério Teófilo pode entrar na história política desse estado, como um político que patrocina a ingratidão, e muito principalmente a traição”, finalizou o ex-aliado Dudu Albuquerque.  

São esses os que pediram exoneração, e os que foram exonerados, por não concordarem com o estilo da atual “Gestão” Rogério Teófilo:

1.Julio Houly. Em maio do ano passado, o ex-vereador pediu exoneração da pasta de Agricultura e Meio Ambiente. Na época, o governo falou em saída por problemas pessoais, já amigos do ex-secretário alegaram poderes limitados.

2.Henrique Vasconcelos,  procurador-geral - em junho de 2017. Na época, pediu demissão, e em nota, o advogado revelou que a decisão foi de foro íntimo.

3. Ricardo Barreto - março deste ano foi a vez do empresário Ricardo Barreto que se desincompatibilizou para possível candidatura.

4. Mônica Pessoa - Secretaria de Educação e Esporte; denunciou a falta de atitude do prefeito e as manobras que havia para as licitações na Educação.

5.            Vanessa Sampaio – Secretaria de Serviços Públicos. O fato ocorreu em maio e provocou uma grande crise na administração, inclusive com nota oficial acusando o prefeito de agir com “morosidade”. Junto pediram exoneração mais alguns contratados de segundo escalão.

6. Silvestre Rizzato – Secretaria de Cultura, Lazer e Juventude, foi trocado por Rosangela de Oliveira Carvalho.

7. Amilka Melo, esposa do ex-deputado Dudu Albuquerque, secretária de Ação Social exonerada inesperadamente por motivos políticos, pelo prefeito Rogério Teófilo.

8. Vereadora Aurélia Fernandes – secretária de Saúde, volta para a câmara, evitando uma Comissão Especial de Inquérito.

Construção da UPA paralisada
Construção da UPA paralisada


Compartilhe