Política

Conta de luz pode ficar mais cara 12% em Alagoas a partir de maio


Fonte: TRIBUNA HOJE

07/02/2020 12h04

A tarifa de energia em Alagoas pode ficar 12% mais cara a partir de maio, caso a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) avalie que o pedido de reajuste solicitado pela Equatorial Alagoas é necessário. Segundo o Sindicato dos Urbanitários mesmo sem a certeza do reajuste, proposta “acende um alerta” para os consumidores.

“É uma liberação da Aneel, não é um reajuste propriamente dito. A Aneel vai avaliar se é necessário o reajuste, ainda não está batido o martelo. Mas já acende uma luz vermelha nos consumidores de que poderá vir um aumento de energia. Os Urbanitários não podem avaliar se há necessidade ou não desse reajuste, porque a Equatorial é uma empresa privada e não podemos avaliar se é necessário porque não temos acesso a essas informações. Até tentamos, mas a empresa é muito fechada nesse sentido. A gestão da empresa é feita só pela empresa e não temos informações. Como entidade, a nossa preocupação, lá atrás era de que com a privatização de serviços essenciais a gente fosse enfrentar transtornos. Antes desse processo a gente já havia alertado sobre esse risco e infelizmente a gente vê que a população está insatisfeita e esperamos que a Equatorial trabalhe para atender bem a população”, defende Dafne Ceres, representante do Sindicato dos Urbanitários.

Uma consulta pública foi aberta na última quarta-feira (5) para que a população participe da discussão do reajuste. As opiniões podem ser encaminhadas para o e-mail [email protected] Além disso, uma audiência pública está prevista para ocorrer no dia 3 de março em Maceió.

A Equatorial Alagoas, por meio de assessoria de comunicação, explicou que o percentual de 12% de reajuste para o consumidor é “preliminar”, isto é, ainda pode sofrer oscilação a depender da avaliação da Aneel.

“A Equatorial Energia Alagoas esclarece que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) está analisando a Revisão Tarifária Extraordinária (RTE) da concessão de Alagoas para verificar os custos e investimentos realizados pela distribuidora.  A Aneel deu início ao processo de revisão e o valor divulgado é provisório. No final de abril será estabelecido o percentual definitivo. A nova tarifa entrará em vigor a partir de 3 de maio. Em 2020, a revisão tarifária extraordinária ocorre em substituição ao reajuste, ou seja, não haverá novo processo de reajuste pela Aneel este ano, apenas em 2021”, diz a empresa.

Dafne Ceres comenta que os representantes políticos precisam “chamar a responsabilidade” da empresa.

“Na verdade a gente não tem poder para barrar esse reajuste. Esse poder talvez caiba aí para o poder legislativo, que pode chamar a Equatorial essa responsabilidade. O que nós podemos fazer é apontar para a população o que acontece quando se privatiza serviço essencial. É preciso essa discussão. Estamos num momento do país em que se diz: privatiza que melhora, e o que a gente está vendo não é isso. A gente precisa fazer esse debate”, defende.

Para o vereador Francisco Sales (PPL), o reajuste solicitado pela empresa afetará duramente a renda dos maceioenses com contas ainda mais altas das que já são pagas atualmente. “Além desse fator do alto preço, os consumidores não recebem um serviço de qualidade. Desde que a Equatorial assumiu a privatização foram diversos prejuízos com quedas constantes de energia e apagões, fora a política de corte da empresa que não permite poucos dias de atraso na conta de luz”, afirma o parlamentar.

“Convoco não somente a população para estar ativa nessa consulta pública, como também provoco os órgãos fiscalizadores em Alagoas, como o Ministério Público Estadual e a Defensoria Pública Estadual, que recebem e acompanham de perto as reclamações do péssimo serviço dessa empresa no nosso estado”, disse.

Reclamações 
Equatorial vem sendo alvo de queixas de consumidores

Em nota, a empresa fala em “reequilíbrio da concessão”. “A Equatorial esclarece ainda que a Revisão Tarifária Extraordinária é um dispositivo previsto no edital do leilão da concessão da Companhia Energética de Alagoas, ocorrido em Dez/2018, e é conduzida pela Aneel, observando normas e procedimentos estabelecidos pela própria Agência. A RTE visa o reequilíbrio da concessão, e irá garantir que a Equatorial tenha recursos para manter o plano de investimentos e melhorias que a empresa tem implementado desde quando assumiu a gestão no estado, e assim continuar a melhorar a prestação do serviço para os alagoanos”, informa a Equatorial.

A empresa vem sendo alvo de reclamações de consumidores em todo o estado e parlamentares sobre as constantes interrupções no fornecimento, cobranças indevidas e cortes no fornecimento sem prévia comunicação. As reclamações foram alvo de reuniões com a  Defensoria Pública desde o início da semana, o objetivo é buscar esclarecimentos e corrigir “procedimentos equivocados”

O consumidor Ezequiel Oliveira discorda da possibilidade de reajuste. Para ele os valores atuais já “pesam” no orçamento. “Eu acho um absurdo, pois o percentual [do reajuste] é maior que o do salário mínimo. Com uma precariedade no serviço, eles querem tirar o valor dos investimentos em cima dos consumidores em tão pouco tempo”, reclama.

 



Compartilhe