Política

Com Pazuello de quarententa, Nelson Teich depõe na CPI nesta quarta



05/05/2021 08h28

Como primeiro a prestar depoimento na CPI da Pandemia, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta respondeu senadores por mais de sete horas nesta terça (4). Agora será a vez de seu sucessor, Nelson Teich, que tem depoimento no Senado marcado para as 10h.

Teich deveria prestar seu depoimento ontem, mas o agendamento foi reordenado porque o general Eduardo Pazuello, terceiro ministro da Saúde e terceiro a depor, disse que teve contato com pessoas com covid-19 e por isso precisaria entrar em quarentena.

Isso possibilitou que o depoimento de Mandetta fosse mais longo e que o de Teich fosse o único desta quarta.

Teich

Assim como fez Mandetta, antes de ser questionado pelos senadores Teich deve fazer uma breve explanação sobre seu mandato de menos de um mês à frente da pasta.

 

A saída do governo aconteceu porque ele não concordou com o presidente Jair Bolsonaro sobre a ampliação do uso da cloroquina e hidroxicloroquina, remédios sem comprovação científica para o tratamento do coronavírus.

Ele também foi contra um o decreto de Bolsonaro que incluiu salões de beleza, barbearia e academias de ginástica entra as atividades consideradas essenciais no período da pandemia.

“Quem vai julgar o presidente é o futuro, não vai ser eu”. Nelson Teich, ao pedir demissão em 15 de maio de 2020.

O uso desses remédios deverá embasar os principais questionamentos da oposição. Já os senadores governistas devem tentar minimizar o depoimentocom base no pouco tempo que o médico ficou à frente da pasta.

 

Pazuello

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello deve ser ouvido pela CPI da Pandemia no dia 19 de maio. No documento enviado por Pazuello e encaminhado pelo Comando do Exército à CPI, o ex-ministro afirmou que poderia manter a data da audiência, com sua participação ocorrendo de forma remota, ou o depoimento poderia ser adiado.

O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), propôs então o adiamento e a nova data para o depoimento, que foi aprovada pelos integrantes da comissão.



Compartilhe